domingo, 9 de maio de 2010

IGREJA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO E SUAS TRANSFORMAÇÕES

Por Mauro Luiz Senra Fernandes



Bairro de Porto Novo e alto a singela Igreja de Nossa Senhora da Conceição

A Matriz de São José de Além Paraíba foi uma grande demonstração de fé do povo alemparaibano, de seus idealizadores, da equipe que lutou para que esse sonho fosse realizado, o espírito de liderança do Comendador Simplício José Ferreira da Fonseca e seus pares.
Outros templos surgiram para dar seguimento, uma maneira de demonstrar a força da religião Católica em nossa cidade.
Como religião pioneira no surgimento de nosso município, seus seguidores demonstraram-se bastante generosos e fiéis, como foi o caso do surgimento da Igreja de Nossa Senhora da Conceição.
A doação do terreno foi uma iniciativa do Coronel Joaquim Luiz de Souza Breves (primeiro Presidente da Câmara Municipal de São José de Além Parahyba) e de sua esposa e sobrinha, Dona Maria Clara de Moraes Breves, para edificação da primeira igreja em Porto Novo. Isso aconteceu no dia 11 de novembro de 1885 – esse terreno ia do alto do morro até às margens do rio Paraíba do Sul.
O lindo templo ficava situado sobre a bela colina em Porto Novo, seu caminho era seguido de altas palmeiras que davam um encanto de nobreza ao local. Nele se venera a encantadora imagem esculpida em madeira de Nossa Senhora da Conceição – a padroeira do lugar.
Consta que, para o início de suas obras no “Almanack” de 1907, aconteceu uma reunião no Clube Musical Portonovense, para levar avante a idéia e a construção. Isso foi no dia 27 de setembro de 1884.
O início das obras foi em março de 1885, tendo sido concluída em 30 de novembro de 1893 e entregue ao culto em 08 de dezembro de 1893; com o custo total de seiscentos contos de réis.
O encarregado da obra foi o português Manoel Francisco de Oliveira, casado com a Sra. Rosalina de Oliveira, proprietários, na época, de uma chácara na atual Rua Quinze de Novembro.
Em 28 de agosto de 1900, aconteceu na Igreja a primeira visita pastoral de Dom Silvério Gomes Pimenta – Bispo da cidade do Rio de Janeiro.
Em 1º de janeiro de 1901 deu-se a fundação do Apostolado da Oração e, em 1904, foi criada a Irmandade de Nossa Senhora da Conceição. A mesa administrativa era composta pelos senhores: Capitão José Antônio Varela – provedor, Tenente Álvaro Antunes Pereira Jorge – secretário, Major Francisco José Rabelo Pereira – tesoureiro, Major Luiz Joaquim Nogueira Villas Boas da Gama – procurador, Revmº. Vigário Padre Carloto Fernandes da Silva Távora, Capitão Luiz Gabriel da Silva, Capitão José Medeiros de Rezende, Tenente Joaquim Martins Ferreira, Tenente Manoel Antônio Pereira, Sr. Antônio Joaquim dos Prazeres e Francisco Pinheiro de Faria – mesários.

A Capela Original

Em 27 de dezembro de 1936, o Padre Afonso Daniel Entrieri fundava o primeiro Conselho de Fábrica da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, com os seguintes membros: José Macedo, Sebastião Lobo, Henrique V. da Silva, Alfredo Mattos e Rogério Pereira da Silva.
Em abril de 1939 foram iniciados os trabalhos de reforma da Igreja pelo Padre Quirino e, em 05 de novembro, os belos altares laterais foram retirados, começando assim, a descaracterização da Igreja e os sinos foram reformados nas “Oficinas”.
Em 14 de novembro de 1945, o industrial italiano radicado em Além Paraíba, José Mercadante, fez a doação de trinta e nove bancos feitos em sua serraria para a Igreja.
Mais uma vez a Igreja é descaracterizada. Entre 1948~1951 foi mudado pelo Padre Arthur Horthuis o Altar-mor, todo de madeira, parecido com o da Matriz de São José, alegando que estava infestado de cupins. Foi colocado um Altar em mármore, que já não se encontra mais e, em seguida, fez-se o primeiro aumento lateral.
Em julho de 1951, Padre Arthur com os Liguistas organizou a “Grande Concentração Mariana de Além Paraíba”. Em seguida, veio a idéia de se fazer o “Salão Henrique Beletable” para a Liga Católica. Foi oferecido pelo grande empresário cearense radicado em Além Paraíba, o Sr. Francisco Gomes da Silva, um armazém de sua propriedade na avenida Dr. Antônio Augusto Junqueira.
Mais tarde, foi comprado esse armazém com uma verba votada pelo Deputado alemparaibano Ezequiel Mendes, ferroviário eleito.
Em 1954, os Liguistas, as Filhas de Maria e demais membros da comunidade, começaram a campanha para a construção lateral e a construção dos Altares laterais de Santo Antônio de Nossa Senhora de Fátima que, mais tarde, foi demolido.
Em 1963 chegava o padre Bonifácio, muito alegre, afetivo e amigos das crianças. Quando ele passava em seu fusca pelas ruas do morro, as crianças o gritavam pedindo bênçãos. Lembro-me dele com muito carinho.
No seu período de trabalho, erigiu o muro que faz divisa da Igreja com as casas vizinhas, fechou o pátio com gradil de ferro e fez festividades das Bodas de Prata da Liga Católica.
Trocou o armazém da Liga Católica pelo terreno pertencente à família Borges, na avenida Dr. Antônio Augusto Junqueira. A princípio, a idéia seria construir o “Salão Henrique Beletable”, serviria aos Domingos para celebração da Santa Missa.
Depois aconteceu que a professora Srta. Maria José Araújo (Dona Zezé), neta do empresário Adão Araújo, doou uma bela imagem de Santa Rita de Cássia para a igreja de Nossa Senhora da Conceição e, nesta não tendo local para a mesma, surgiu a idéia de se construir um nicho no terreno e mudar o nome de Henrique Beletable para Santa Rita.
Padre Bonifácio, após reunião com a diretoria da Liga e o Conselho, chegou a conclusão de que se deveria construir uma “Igreja Nova”, a qual seria de Santa Rita de Cássia e junto um salão paroquial.
Em 22 de maio de 1963 fez-se a procissão de Santa Rita para o terreno, deixando Dona Zezé muito feliz, onde foi celebrada a primeira Missa.
Em 28 de agosto de 1966 foi lançada a Pedra Fundamental da Igreja de Santa Rita, pelo Padre Wilson Ghetti, representando Dom Geraldo, Arcebispo da Paróquia.
Após esses anos, a Igreja de Santa Rita tornou-se um belo templo de Deus mas a Igreja Nossa Senhora da Conceição, de onde surgiu a grande idéia, vem sendo descaracterizada e precisando de reformas urgentes.

A doação do terreno foi uma iniciativa do Coronel Joaquim Luiz de Souza Breves (primeiro Presidente da Câmara Municipal de São José de Além Parahyba) e de sua esposa e sobrinha, Dona Maria Clara de Moraes Breves, para edificação da primeira igreja em Porto Novo. Isso aconteceu no dia 11 de novembro de 1885 – esse terreno ia do alto do morro até às margens do rio Paraíba do Sul.

Cecília de Souza Breves, filha do Coronel Joaquim de Souza Breves e Maria Clara de Moraes Breves


Primeira Comunhão dos Pobres-8 de dezembro de 1938


No casamento de Juca e Lôlô Couto Gomes aparece o Altar original


Casamento de Maria de Lourdes Fernandes e Adilson Agricola


Casamento de Odeth e Sebastião Vasconcellos


Inauguração do novo Altar-primeira descaracterização


Fundação da Liga Católica Jesus Maria José-22 de setembro de 1940


Liga Católica

Interior da Igreja N.S. da Conceição, nos dias de hoje

3 comentários:

  1. Os povos que não recorda o passado são povos fadados ao perecimento.

    ResponderExcluir
  2. Virei fã do Blog, principalmente depois que vi a foto dos meus avos , no dia do casamento, mais queria que fosse corregido o nome do meu avô, o apelido dele era TUCA, e não JUCA eles são a primeira foto nesta página.
    Parabéns por sua iniciativa.
    JOSÉ GERALDO GOMES LHAMAS JÚNIOR

    ResponderExcluir
  3. sebastiao cantarino11 de novembro de 2013 16:54

    Boa noite Sr. Mauro Senra,
    O Sr. saberia me informar porque no livro de registros de casamentos da igreja matriz de São José não constam os registros dos casamentos ocorridos de 1891 a 1896? O que aconteceu neste período em Alem Paraiba, para não haver nenhum casamento nesta igreja?
    Agradeço.
    Sebastiao cantarino

    ResponderExcluir