sábado, 6 de dezembro de 2014

ALÉM PARAÍBA NOS ANOS SESSENTA E SETENTA - ÉPOCA QUE SE COMEMORAVA O SEU ANIVERSÁRIO DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA

Por Mauro Luiz Senra Fernandes


      O município de Além Paraíba sempre se comemorou o seu aniversário no dia 28 de setembro, com grandes festas. A famosa "Festa da Cidade" que era realizada na antiga Ilha do Lazareto e os desfiles cívicos pelas ruas da cidade e finalizavam na referida ilha.

      Hoje, a "Festa da Cidade" não é mais em setembro, virou "FEXPO" e é realizada em agosto. Os desfiles escolares, continuam em setembro e infelizmente perdeu a motivação da juventude como era no passado.











A "GUERRA FISCAL" ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS IMPEDEM O CRESCIMENTO DE ALÉM PARAÍBA

Por mauro Luiz Senra Fernandes


      A "Guerra Fiscal" entre os estados brasileiros e o crescimento dos impostos de Minas Gerais impedem o crescimento de Além Paraíba. 

       Sendo uma cidade de fronteira com o estado do Rio de Janeiro, onde os impostos são inferiores, os empresários alemparaibanos estão investindo todo o seu capital no distrito de Jamapara - Sapucaia RJ. 

      Assim, Além Paraíba vem deixando de ser uma cidade desenvolvida e a falta de capital vem promovendo o desemprego e a violência nos últimos tempos. 
         

Vários momentos do passado onde havia o posto de arrecadação estadual, que ficava na entrada
 da cidade (na ponte de Porto Novo)




quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

O RIO PARAÍBA DO SUL E AS SUAS INTERFERÊNCIAS NA HISTÓRIA

Por Mauro Luiz Senra Fernandes


O Rio Paraíba do Sul e as suas interferências na História do Município de Além Paraíba MG.

O Rio Paraíba do Sul invade o Município de Além Paraíba - MG, em janeiro de 1966.

GRUPO ESCOLAR SALLES MARQUES - ATUAL ESCOLA MUNICIPAL SALLES MARQUES

Por Mauro Luiz Senra Fernandes



O tradicional e antigo Grupo Escolar Salles Marques (atual Escola Municipal Salles Marques) - no bairro de Porto Novo em Além Paraíba - Minas Gerais

BAIRRO DAS OFICINAS - VILA LAROCA...ALÉM PARAÍBA MG

Por Mauro Luiz Senra Fernandes



"A moldura deste retrato em vão prende suas personagens. Estão ali voluntariamente, saberiam - se preciso - voar". Drummond

"O retrato não me responde, ele me fita e se contempla nos meu olhos empoeirados." Drummond

O passado do bairro operário das Oficinas - atual Vila Laroca - Além Paraíba - Minas Gerais

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

JOSÉ MERCADANTE - UM ITALIANO EMPREENDEDOR EM ALÉM PARAÍBA

Por Mauro Luiz Senra Fernandes




Nasceu na Itália em Tramutola, província de Basilicata, a 10 de julho de 1883. Era filho de Antonio Mercadante e Rosa de Marca. Aos quatro anos de idade, seus pais emigraram para o Brasil, e vão se juntar aos parentes que estão morando no distrito de Itapiruçu, município de Palma no estado de Minas Gerais.

Aos dezenove anos, visita a Itália juntamente com seus pais e se casa com a italiana da Calábria, Carmelita Taroni, que não se adaptou a vida no Brasil e volta para Itália desfazendo o casamento sem filhos.

Os horizontes se abrem para o seu futuro. Seus parentes são todos profissionais da indústria de madeira e Mercadante se introduz na fabricação e venda de dormentes para as ferrovias que penetram na região. A madeira apenas destinada à transformação em dormentes, passa também pelas máquinas de carpintaria e marcenaria, transformando-se em artefatos de construção civil e mobiliário.

Juntamente com patrício Antonio Taranto, criam a empresa "Taranto & Cia" em Itapiruçu. Sem perspectiva de crescimento no lugarejo, desfaz com o amigo Taranto a sociedade e se transfere para o Rio de Janeiro com o primo Luiz de Marca e cria a empresa "José Mercadante & Cia". Em Itapiruçu deixa, seus agentes madeireiros encarregados da aquisição do produto.

Se transfere  para a cidade de Além Paraíba - Minas Gerais e em 1921, cria a empresa "Mercadante, Pereira e Cruz". Aumenta as responsabilidades de "Mercadante & Cia", atraindo sócios os senhores Henrique de Marca, João Rozante e o Dr. Antônio Augusto Junqueira, chefe político municipal e banqueiro.

Ainda em 1921, admite ao complexo industrial representantes das classes conservadoras do município de Além Paraíba, e com Affonso Salvio, Leonardo de Freitas e José Teixeira Bastos, funda a "Fabrica de Papel Santa Maria", a "Fabrica de Meias Iraci" e a "Mecânica Santa Helena". Expande-se o parque industrial de Além Paraíba, desenvolvendo o seu comércio e o seus mercado de trabalho.

Equipa as serrarias, carpintarias e marcenarias com modernas máquinas e passa a produção em grande escala de móveis, esquadrias, portas, janelas e demais peças de consumo em construção civil.

A Estrada de Ferro Central do Brasil possui, junto a Estação de Porto Novo, uma área de mais ou menos dez mil metros quadrados, que cede ao empresário para estocagem de madeira bruta, e permite-lhe ramais de extensão das linhas a serviço da industria. Em pouco meses o espaço se cobre de toras.

Além Paraíba demarca suas fronteiras  como centro industrial e comercial de Minas Gerais. A cidade guarnece de bons restaurantes e de hotelaria  de bom nível para recepcionar os viajantes, turistas e homens de negócios. 

Em 1932, monta em Simplício, localidade próxima a poucos quilômetros do centro da cidade, uma cerâmica para produção de tijolos e telhas.

O algodão, matéria prima da industria de tecidos da cidade, é todo importado. Com a sua visão empreendedora, José Mercadante funda a "Algodoeira",  aparelhada modernamente para descaroçar o algodão e entregá-lo beneficiado à fabricação de tecidos. Da semente extrai o óleo comestível e do resíduo produz a torta para enriquecimento da ração do gado leiteiro. A produção da torta excede o consumo municipal e a sobra é exportada para a Inglaterra.

Implanta ao lado da Fabrica de Papel Santa Maria a indústria de laminação de madeira, modernizando a fabricação de compensados.

Constrói cinquenta casas no bairro do Porto Velho, para amenizar a carência de habitações na cidade. O conjunto é batizado com o nome de "Vila José Mercadante", e destina-se aos profissionais de seu parque industrial. São construções de alvenaria com conforto de habitação de classe média.

Seu nome se projeta no economia nacional.

Adão Pereira de Araújo, outro grande empreendedor de Além Paraíba, desaparece do cenário econômico e José Mercadante adquire os bens do espólio, incorporando ao seu complexo industrial a "Companhia Força e Luz de Além Paraíba", cessionária do fornecimento de energia elétrica da cidade, inclusive do transporte coletivo de passageiros por bondes elétricos, laticínios com a pasteurização do leite, fabrica de gelo e produção de manteiga.

Atendendo à convocação do jornalista Assis Chateaubriand, doa à sua campanha de criação de "Aero-Clubes" nas cidades prosperas do território nacional, para a formação de pilotos da reserva aeronáutica-civil, um avião, que batiza com o nome de "Raposo Tavares". É criado o "Aero Clube de Além Paraíba".

Na política municipal, indica para a intendência, o primo e sócio Luiz de Marca, que, no período de 1941 a 1945, administra o município alemparaibano.

Crio a gráfica Além Parahyba e edita o jornal semanal e se torna leitura obrigatória na cidade - o "Alé Parahyba".

É agraciado pelo Vaticano com a Ordem de Comendador.

Desfeito o seu primeiro casamento, constitui novo com Honorina Maria da Cruz.

Faleceu em 1945, deixou um rastro de desenvolvimento nunca visto nessa cidade, verdadeiro simbolo de Além Paraíba.


 Inauguração da Fabrica de Papel Santa Maria

O empresário Affonso Salvio, um dos sócios de Mercadante na fundação da Fabrica de Papel Santa Maria

Jornal Além Parahyba


Fonte: Amil Alves

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

O CAFÉ NA ZONA DA MATA MINEIRA





Fazenda Saracura - Bicas MG

Fazenda Santa Fé - Mar de Espanha MG

Jardim da Fazenda Santa Fé - Mar de Espanha MG




FOTO CONTANDO HISTÓRIA...







Posto Fiscal em Porto Novo - anos 30

terça-feira, 9 de setembro de 2014

AS FOTOS FAZENDO HISTÓRIA...

Vila Laroca no passado histórico de Além Paraíba...
A antiga e histórica Rua Marechal Floriano em Porto Novo...a estrada de ferro e a linha do bonde...
Porto Novo do transporte...
Porto Novo na politica...
Porto Novo empresarial e desenvolvido...
O contraste de Porto Novo em Além Paraíba...


segunda-feira, 21 de julho de 2014

FAZENDA DA REFORMA - SANTO ANTONIO DO AVENTUREIRO - MINAS GERAIS

Por Mauro Luiz Senra Fernandes


A Fazenda da Reforma fica situada no município mineiro de Santo Antonio do Aventureiro - divisa com Além Paraíba.

Hoje, ela é um belo e preservado patrimônio histórico do período cafeeiro de nossa região.








sábado, 19 de julho de 2014

O MUNDO MASCULINO - A BARBEARIA LOCAL QUE SE DISCUTIA O DESTINO DA CIDADE

Por Mauro Luiz Senra Fernandes




Em Porto Novo no ano de 1936, a barbearia era o centro de encontro masculino e lá se discutia política e o destino da cidade era disputado com muita habilidade.

O Barbeiro Macedo com toda a sua competência e elegância, a sua barbearia era muito bem frequentada.





ALÉM PARAÍBA APOIA JOÃO GOULART PARA A VITÓRIA DO BRASIL

Por Mauro Luiz Senra Fernandes




Comício na Praça Presidente Vargas - Porto Novo em 1955, nesse ano João Goulart, candidato a vice-presidente teve mais voto que Juscelino Kubitschek,  candidato a presidente da república.

Na foto, o medico José Avelino de Freitas, a esquerda o industrial Emílio Esquerdo e a direita, o vereador e ferroviário Gilson Rossin do Nascimento.


MOVIMENTO INTEGRALISTA EM ALÉM PARAÍBA

Por Mauro Luiz Senra Fernandes


Nos anos 30, surgiu o Integralismo Brasileiro. Diferente do seu inspirado francês e português, era republicano - predominantemente inspirado pela Doutrina Social Católica, sendo o seu principal orientador e líder Plínio Salgado.

No Brasil, teve forte influência durante o período em que o Presidente Getúlio Vargas esteve pela primeira vez no poder (1930-1945) e inicialmente deu sustentação a seu governo. Vargas, porém, não se revelou o que os Integralistas esperavam. Assim, tentaram dar um golpe - o "Levante Integralista" em 10 de maio de 1938, mas fracassaram e diversas lideranças foram presas, assassinadas e exiladas.

O movimento se expandiu e teve um expressivo núcleo em Além Paraíba, só se desenvolvendo em 1938. Na fotografia, os "camisa verde" como eram chamados, se vê no centro Jorge Sahione Filho e atras, em pé no estribo do automóvel, o pecuarista e advogado Waldyr Villela Pedras.
   

A Diretoria do núcleo Integralista de Além Paraíba, em sua sede e entre seus diretores, Jorge Sahione Filho e Waldyr Villela Pedras. O menino que esta na fotografia fazia parte do grupo infantil.


segunda-feira, 7 de julho de 2014

UM PATRIMÔNIO PERDIDO NO PORTO VELHO - ALÉM PARAÍBA MG

Antigo sobrado da família do Cel. Simplício Martins do Couto, no bairro do Porto Velho em Além Paraíba MG.
Foi demolido em 2014.

Acervo: Mauro Luiz Senra Fernandes


PORTO NOVO DO CUNHA - ALÉM PARAÍBA MG

 
Antigo Porto Novo do Cunha - Além Paraíba MG

A Ladeira Carlos Gomes com as suas plameiras imperiais indo de encontro com a Capela de Nossa Senhora da Conceição...
A Estação Ferroviária de Porto Novo e o majestoso Rio Paraíba do Sul.

Acervo: Mauro Luiz Senra Fernandes


segunda-feira, 23 de junho de 2014

NELSON HUNGRIA HOFBAUER – UM MINISTRO ALEMPARAIBANO

Por Mauro Luiz Senra Fernandes






Foi um dos mais importante penalista brasileiro, com diversas obras publicadas ao longo da vida. Foi desembargador do Tribunal de Justiça do antigo Distrito Federal. Foi delegado de polícia. Foi Ministro do Supremo Tribunal Federal entre 1951 a 1961.

Nasceu em 16 de maio de 1891, nas Fazenda Solidão, propriedade de seus avós maternos Antonio Manuel Domingues, comerciante e fazendeiro, fundador da primeira Casa Carcacena, e de Luíza Tereza Côrtes Domingues, localizada em Angustura, no Município de Além Paraíba, na Zona da mata do Estado de Minas Gerais.

Seus pais eram Alberto Teixeira de Carvalho Hungria, funcionário publico municipal e Anna Paula Côrtes Domingues Hungria.

Seu avô paterno Francisco de Paula Hofbauer, de origem húngara, mudando o sobrenome Hungria, por ocasião de sua migração para o Brasil em 1826. Era natural de Raab - antiga Arabona, na Hungria Ocidental. Estabeleceu na Vila de Paraibuna - Juiz de Fora MG. Em 1830 adquiriu um sitio denominado Marmelo, no Caminho Novo das Minas Gerais e casou-se com Guilhermina Celestina Natividade Teixeira de Carvalho.

Precoce, foi alfabetizado aos três anos de idade pela mãe. Aos quatorze anos de idade, o menino ingressou na faculdade de Direito em Belho Horizonte. No fina do segundo ano, mudou-se sozinho para o Rio de Janeiro, onde conseguiu emprego de mata-mosquito, para se sustentar. Bacharelou-se aos dezoito anos no Curso de Direito da faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro atual Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Tornou-se livre-docente em Direito Penal na mesma Universidade.

Lecionou durante anos na Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense, como professor de Direito Penal.

Retornou a Minas Gerais, onde foi nomeado promotor publico em Rio Pomba, agreste de Minas Gerais.

Aos vinte um anos de idade, em 1912, casou-se com Izabel Machado Hungria, com quem teve quatro filhos.

Em 1918, mudou-se para Belo Horizonte e advogou até 1922, quando transferiu novamente para o Rio de Janeiro. Na Capital Federal, foi delegado de polícia por dez anos e vendedor de estampilhas no Tesouro Nacional.

Ingressou na magistratura com Juiz da 8ª Pretoria Criminal do antigo Distrito Federal, nomeado por decreto de 12 de novembro de 1924. Serviu posteriormente como Juiz de Órfãos e da Vara dos Feitos da Fazenda Pública. Ascendendo ao cargo de Desembargador, em 1944, exerceu as funções de Corregedor.

Por decreto de 29 de maio de 1951, foi nomeado Ministro do Supremo Tribunal pelo Presidente Getúlio Vargas.

Em razão do limite constitucional de idade, foi aposentado por decreto de 11 de abril de 1961, despedindo da Corte na sessão de 14 do mesmo mês. A mencionada cerimônia de despedida foi marcada com a presença do presidente da república, Dr. Jânio Quadros, circunstância excepcional jamis repetida, antes ou depois, em preito semelhante no Tribunal.

Após a aposentadoria retornou à advocacia, que exerceu até o seu falecimento, em 26 de março de 1969, aos 78 anos, na cidade do Rio de Janeiro.

Em Além Paraíba foi homenageado, para orgulho de todos os conterrâneos o seu nome foi emprestando para o Fórum Nelson Hungria.


DR. ROMUALDO ANTONIO MANSO DA COSTA REIS - UM MÉDICO E POLÍTICO DO SÉCULO DEZENOVE

Por Mauro Luiz Senra Fernandes



Natural de Minas Gerais era filho de Manoel José Monteiro de Barros e Ignês de Castro.

Neto paterno de Romualdo José Monteiro de Barros - Barão de Paraopeba e neto materno do minerador e Capitão de Milícias Manoel José Monteiro de Barros - desbravador do Vale do Pirapetinga e fundador da Fazenda Providência ou Fazenda Velha em Leopoldina - Minas Gerais e de Ignês de Castro Galvão de São Martinho.

Bisneto do Guarda-mor Manuel Monteiro de Barros e Margarida Euphrasia da Cunha Mattos (pais de seus avós Romualdo José Monteiro de Barros - Barão de Paraopeba e do Capitão Manoel José Monteiro de Barros), e bisneto do Sargento-mor Pedro Affonso Galvão de São Martinho (fundador do Porto Novo do Cunha - atual Além Paraíba) e Maria Agostinha Manso da Costa Reis.

Era irmão de Clara Monteiro de Barros Galvão de São Martinho - segunda Baronesa de Leopoldina,  casada em 1828 com o primo Manoel José Monteiro de Castro -Barão de Leopoldina, filho de Dominciano Ferreira de Sá e Maria do Carmo Monteiro de Barros.

Tornou-se médico de grande expressão, tendo estudado ciências médicas na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e defendido tese em 1842. Apresentou a tese do diagnóstico e tratamento das diversas manifestações do histerismos e epilepsia. Sua tese foi aprovada com distinção.

Foi  deputado por Minas Gerais, à Assembléia Geral, de 12 de setembro a 17 de junho de 1889.

Republicano, entrou na história ao se negar a prestar juramento de fidelidade e e de lealdade ao Imperador Dom Pedro II em 1888, quando tomou posse de sua cadeira de Deputado Federal. Suas convicções republicanas fizeram-no negar a isso, provocando uma alteração  no regimento da Câmara, dispensando-se o juramento do deputado que declara à Mesa ser dito juramento contrário as suas crenças e opiniões políticas.

Dr. Romualdo Antonio Manso da Costa Reis e seus filhos Bernardo Manso Monteiro da Costa Reis, João Manso Monteiro da Costa Reis e Marcos manso Monteiro da Costa Reis

sexta-feira, 20 de junho de 2014

PEDRO AFFONSO GALVÃO DE SÃO MARTINHO – O SARGENTO-MOR QUE FUNDOU ALÉM PARAÍBA

Por Mauro Luz Senra Fernandes





Pedro Affonso Galvão de São Martinho, nascido em 24 de abril de 1741, batizado no dia 15 de maio do mesmo ano, na Igreja de Nossa Senhora da Expectação, no Conselho de Campo Maior, na região de Alentejo – Portugal.

Era filho de Vasco Sardinha Galvão e Clara Maria de Sá e neto paterno de Pedro Antonio Galvão e Joana Mexia Galvão.

 Seu bisavô Vasco Sardinha Galvão e sua bisavó Maria Couto, nascida em 1634 em Campo Maior, foram presos nos cárceres da inquisição de Évia, acusados de judaísmo e heresia, por ter quarto sangue de “cristãos-novos” (designação dada em Portugal e no Brasil a um judeu convertido ao cristianismo).

São Martinho ocupava o posto de alferes em Campo Maior e pertencia ao Regimento do Alentejo, quando veio transferido para o Brasil em 1775 acompanhando o governador Dom Antonio de Noronha para Vila Rica. Com a criação do Regimento de Dragões, foi promovido ao posto de Sargento-Mor.

Em 1776, casou-se em primeiro matrimônio com Maria Agostinha Manso da Costa Reis, e em segundo, com Francisca Theodora de Oliveira Maciel. Deixou quatro filhos com sua primeira esposa e nenhum com a segunda.

Viveu em Vila Rica, por ocasião da Inconfidência Mineira. Como Sargento-Mor do Regimento de Cavalaria executou a ordem de prisão contra o inconfidente Claudio Manoel da Costa.

Foi um protegido do Governador de Minas Dom Luiz da Cunha Menezes – “Fanfarão Minésio”, e em homenagem a ele deu o nome de Porto Novo do Cunha à povoação que fundou as margens do Rio Paraíba do Sul, hoje Além Paraíba.

Em fins de 1784, a mando do governador da Capitania de Minas Gerais, iniciou o patrulhamento do Rio Paraíba do Sul e seus afluentes na região limítrofe entre as Capitanias de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, com o objetivo de fazer o reconhecimento e com finalidade de combater principalmente o contrabando de ouro nas terras dos “Sertões do Leste”. Em fins de 1786, foi iniciada a segunda diligência para prender o famoso contrabandista “Mão de Luva” e seus seguidores em Descoberto do Macuco.

O episodio da prisão do contrabandista “Mão de Luva”, onde São Martinho e Tiradentes estiveram juntos em missão. Pedro Affonso, Sargento Mor, comandava o destacamento e Tiradentes, ainda Alferes Joaquim José da Silva Xavier, foi encarregado de fazer as medições topográficas. Nessa época, fundou diversos registros na margem esquerda do Rio Paraíba do Sul, na então capitania de Minas Gerais, sendo o mais conhecido deles o de Porto Novo do Cunha, que deu origem a cidade de Além Paraíba.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

III MOSTRA FAZENDA CASTELO - ALÉM PARAÍBA MG - O Turismo Rural

Inauguração da III Mostra Fazenda Castelo nos dias 26 e 27 de abril de 2014, foi um sucesso e contou com a presença de um grande número de ilustres visitantes.
O evento continua nos dias 01, 02, 03 e 04 de maio, das 12 às 20 horas.