sexta-feira, 7 de maio de 2010

ÁFRICA ALEMPARAIBANA

Por Mauro Luiz Senra Fernandes





Na África, as caravanas de escravos capturados marchavam à frente dos condutores para os mercados de Serra Leoa, de São Luiz, da Gâmbia, de Angola, de Luanda e de Benguela. A tirania dos traficantes, visando apenas o lucro dos carregamentos, martirizava os infelizes, atando-lhes ao pulso pesadas correntes e ao pescoço gargalheiras de ferro. O fumo e aguardente, velhas roupas e cacos de espelho, fileiras de miçangas e trapos vermelhos, seduziam os régulos e chefes bárbaros à tradição e à infâmia, isto é, à entrega de seus súditos e das pessoas mais próximas, em troca de embriagues ou de adornos fatais. No caminho até o local dos embarques muitos morriam de fome, de sede, de insolação e de maus tratos. Os depósitos que aguardavam e os porões das galerias que os transportariam à América ficavam mais comumente à beira do mar ou dos rios interioranos da África.

 Percorrendo o convés, os capitães dos navios negreiros conferiam a carga, presidiam a chamada da equipagem, vigiavam os despenseiros. Amontoados no fundo dos navios devorados pelo calor e pela febre, feridos com correntes ao bulício do mar, os africanos perdiam a sua cor primitiva, a expressão transformava-se, de seu olhar vivo e selvagem acostumado com as águas, a fitar o sol dos desertos, cobria-se de um véu de sangue que lhe amortecia a luz. Por vezes, os porões eram abertos e turmas de escravos subiam ao tombadilho para que outros fizessem a limpeza dos fundos, sempre vigiados de perto pelos marinheiros, endurecidos e insensíveis ao sofrimento. Acocorardos e trêmulos, os negros olhavam o horizonte distante, enquanto outros lançavam ao mar a carga que não poderia ser negociada – os dos que morreriam durante a travessia. O acompanhamento dos tubarões na esteira do brigue, completava o lúgubre quadro do cemitério oceânico.

As primeiras levas de negros africanos chegados ao Brasil foram encaminhadas para o nordeste – Maranhão para suas lavouras de algodão; Pernambuco e Bahia para trabalhar nos canaviais e nas usinas de açúcar.

Quando do surto da mineração de ouro e diamante, em Minas Gerais, muitos escravos dessas lavouras se deslocaram para trabalhar nas minas. Somente no apogeu da mineração, em pleno 1700, subiram pelo Caminho Novo levas de africanos desembarcados no Rio de Janeiro. Este movimento, tão pronto iniciou-se o ciclo do café no Vale do Paraíba, foi aumentando, pois não só a província Fluminense absorvia a volumosa massa de mão-de-obra, como também a colonização do Sertão do Leste (região como era chamada Além Paraíba), ganhava o seu quinhão de recém-chegados e uma parte dos escravos que labutavam nas minas, então decadente.

A parte da zona da mata de Minas, junto à divisa com o Rio de Janeiro, foi uma das últimas áreas próximas ao litoral a serem desbravas durante o período colonial.

Um comentário:

  1. Com a abolição da escravatura, muitos negros , principalmente crianças, foram tutelados por famílias mineiras, outros se tornaram compadres. e continuaram nas fazendas. Foi uma maneira que o mineiro encontrou para continuar sendo servido e não incentivar o crescimento dos ex escravos.Talvez venha desse arranjo, a origem dos problemas sociais da Zona da Mata. O passado fazendo cobranças.

    ResponderExcluir