quarta-feira, 24 de outubro de 2012

FAMÍLIA MARTINS FERREIRA E FRANCISCO MARTINS FERREIRA

Por Mauro Luiz Senra Fernandes




Francisco Martins Ferreira nasceu no Distrito de Angustura – Além Paraíba, MG, em 1856 e foi batizado em 15 de janeiro de 1856, era filho do Tenente Coronel Joaquim Martins Ferreira e Maria Esméria Carvalho Leite.

Seu pai Tenente Coronel Joaquim Martins Ferreira, foi grande fazendeiro no Município de Além Paraíba, proprietário de grande fortuna e recusou a receber o Título de Baronato.

Seus avós paternos eram o Capitão Felix Martins Ferreira e Anna Gonçalves Cruz e seus avós maternos eram Antonio Gomes de Carvalho e Maria Josepha de Souza.

Seus irmãos:

Joaquim Martins Ferreira nasceu em 1842 e casou-se com Virgínia Amália Vidal Leite Ribeiro; Carlos Martins Ferreira nasceu em 1844; Custódio Ferreira Martins nasceu em 1846; Maria Martins Ferreira nasceu em 1848; Francisca Bernardina nasceu em 1850 e casou-se com Gabriel Villela de Andrade; Félix Martins Ferreira, proprietário da Fazenda Araribá em Angustura, nasceu em 1852 e casou-se com Heliodora Pinheiro Corrêa Lacerda; Lindolpho Martins Ferreira, nasceu em 1854; Ernestina Martins Ferreira, nasceu em 1858; e Gabriel Martins Ferreira, nasceu em 3 de dezembro de 1859, casou-se Maria Gabriela Villela de Andrade, filha de Casemiro Villela de Andrade e Cândida Cardoso Villela;

A fotografia foi tirada por volta de 1909, Francisco Martins Ferreira em frente a sua casa na Rua Desembargador Izidro – Tijuca – Rio de Janeiro.


Aparecem sua esposa Gabriela Andrade de Botelho, filha de Tomé Inácio Botelho e Ana Ribeiro de Andrade; Francisco Martins Ferreira, os filhos Otília, Décio, no colo Beatriz e Tito junto a Francisco. Acima, Francisco Martins Ferreira Filho, Gabriela, Anna, Maria, Joaquim Martins Ferreira.
 
Carlos Martins Ferreira
 
Francisca Bernardina Martins Ferreira e seu esposo Gabriel Villela de Andrade 
 
Maria Gabriela Villela de Andrade e Gabriel Martins Ferreira

Fonte: Humberto L. Martins Ferreira


sábado, 13 de outubro de 2012

BARÃO DE ALÉM PARAÍBA – JOAQUIM BARBOSA DE CASTRO NA INSTALAÇÃO DE NOSSO MUNICÍPIO

Por Mauro Luiz Senra Fernandes



Barão de Além Paraíba
Em 8 de agosto de 1888, pela Princesa Isabel, foi agraciado com o título de Barão de Além Paraíba.

O Município de São José de Além Paraíba foi criado em virtude da lei nº 2.678, sancionada pelo cônego Joaquim José de Santana, então Vice- Presidente da Província de Minas Gerais, em 30 de novembro de 1880, passando, assim, a Freguesia a categoria de Vila.

Vários motivos, entre outros, o da falta de edifícios apropriados para instalação da Câmara e Escola, contribuíram para o governo demorasse a designar o dia que se deveria constituir, de fato, o nosso município.

A instalação deste foi feita, com grande solenidade e regozijo publico, no dia 22 de janeiro de 1882, pelo presidente da Câmara de Mar de Espanha, Dr. Joaquim Barbosa de Castro – Barão de Além Paraíba, que deu posse aos vereadores.

Joaquim Barbosa de Castro – Barão de Além Paraíba nasceu em Mar de Espanha, no dia 3 de abril de 1839,  na Fazenda da Fortaleza, no sopé da serra da Arribada.

Era filho de Joaquim Barbosa de Castro, o Velho e de Ana Paula Leopoldina. Seus avós maternos eram os portugueses Antônio Joaquim da Costa e Domingas Eufrásia de Santa Esmeria, vindo de para o Brasil em 1777, estabeleceram-se em Barbacena, convencidos que suas terras não ofereciam futuro, resolveram ir explorar as matas do Paraíba.



Jazigos dos pais do Barão de Além Paraíba no Cemitério de Capoeirinha - Chiador MG

O Barão de Além Paraíba era Bacharel em Ciências Sociais e Jurídicas, em 1863, pela Faculdade de São Paulo, dedicou grande parte de sua vida à advocacia e a política, merecendo a estima de Dom Pedro II. Na cidade de Mar de Espanha, exerceu a chefia do Partido Conservador.

Em 1873 foi nomeado Coronel-Comandante da Guarda Nacional de Mar de Espanha. Jamais houvesse ambicionado altos postos, recusando sempre o lançamento da sua candidatura, foi nomeado, em 29 de dezembro de 1885, Vice-Presidente da Província, recusando, todavia a elevada honraria que lhe fora conferida, sendo substituído pelo Dr. Antônio Teixeira de Souza Magalhães.

Em 8 de agosto de 1888, pela Princesa Isabel, foi agraciado com o título de Barão de Além Paraíba.

Casou-se me 25 de fevereiro de 1865, com Joana Eugênia Barbosa de Castro, nascida em 16 junho de 1847 e faleceu em 23 julho de 1934, filha de Domingos Eugênio Carlos Pereira e Ana Florentina Augusta, neta materna do pioneiro Major Agostinho José Frederico de Castro e de Joana Batista Rodrigues do Vale.   

Desse matrimônio tiveram os seguintes filhos: Arthur (nasceu em Mar de Espanha no dia 25 de maio de 1886, e faleceu em Rochedo - MG no dia 10 de setembro de 1816) casado com Maria Anna Teixeira de Castro; Alberto ( 1868- 1872); Albertina (nasceu em Mar de Espanha no dia 22 de março de 1870 e faleceu no dia 22 de julho de 1903), casada com Eugênio Agostinho de Mattos; Urbano (nasceu em 1871); Vitalina (1872 - 1874); Francelina (nasceu em 1874); Julieta (nasceu em 1876); Marietta (nasceu em 1877), casada com Norberto Martins do Couto; Orozimbo (nasceu em 1878), casado com Ambrosina Xavier de Castro; Francelino; Romeu (1880 - 1884); Antonieta (faleceu em 1882); Cornélia ( 1883 - 1884); Anna (1885 - 1913); José (1886 - 1889); Maria Mercês (1887 - 1888); e Joaquim (nasceu em 1889), casado com Leila Borges.

Modesto, destituído de vaidade, sem ambição que tanto cegou os ambiciosos políticos na fase que antecedeu a proclamação da república, rejeitou obstinamente, todas as posições de destaque que lhe foram oferecidas.

Com a abolição da escravidão, cresceu no município o Partido Republicano, chefiado pelo Dr. Gonçalves Ramos. E com a transformação operada no regime, o Barão de Além Paraíba, monarquista fiel a causa que abraçara com tanto ardor e devotamento, recolheu-se à vida privada.

Joaquim Barbosa de Castro – Barão de Além Paraíba faleceu 17 de julho de 1918, no Município de Mar de Espanha, ele não foi apenas um nome que enfeitou a nobiliarquia brasileira, foi um exemplo de honradez. 
Barão de Além Paraíba e filhas
Arthur Barbosa de Castro e sua esposa Maria Anna Teixeira de Castro
Urbano Barbosa de Castro
Orozimbo Barbosa de Castro
Anna Barbosa de Castro

Netos do Barão de Além Paraíba
Casa onde o Barão de Além Paraíba viveu na velhice.



Fonte: Câmara Municipal de Mar de Espanha – 8 de dezembro de 1991

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

ISABEL HERDY ALVES

Por Mauro Luiz Senra Fernandes




Sua existência modelar de virtudes encontrava correspondência em seu saudoso esposo Antônio Joaquim Alves, e ambos foram cristãos, almas irmãs no compreender e no sentir.

Aos seus educaram na religião e no ensinamento da caridade, e o seu lar era um tranquilo lar.

Nos últimos dias de sua vida, Isabel Herdy Alves teve formosas visões: Cristo Redentor aproximou-se dela, olhando com muita doçura, e São José lhe abriu os braços, testemunhando a recompensa para o seu espírito. Também seu querido pai lhe apareceu, confortando-a muito. Ela não se orgulhava dessas visões, e sua alegria era imensa, confessava humildemente não merecer tanta bondade de Deus, rezando nesses momentos com grande contrição. 

Isabel Herdy nasceu em 10 de agosto de 1857, em Porto Velho do Cunha, morou no Bairro da Saúde, na rua que hoje leva o seu nome e faleceu em 23 de fevereiro de 1936, no Rio de Janeiro, no Hotel Avenida, onde há muito morava, cercada sempre do afeto de sua filha Olivia e de seu genro Cel. Francisco Cabral Peixoto, e com a assistência espiritual de Dom Mamede Silva Leite, Bispo de Sebaste e Laudicéa. 

Era filha de José Francisco Herdy e de Catarina Boer Herdy, que com seus parentes das famílias Lemgruber, Monerath, Lutherback e Kroff, foram os primeiros colonizadores de Friburgo.

Casou-se com Antônio Joaquim Alves, homem probo, caráter impoluto e chefe de família exemplar, nascendo desse casamento os filhos: Idalina; Antonietta; Isabel; Olivia, casada com o Cel. Francisco Cabral Peixoto, industrial e proprietário do Hotel Avenida no Rio de Janeiro; Cel. Abílio Herdy Alves, casado com Adelaide Pimenta Alves, industrial no Rio de Janeiro; Maria José, esposa de M. J. Carneiro Junior, do comércio carioca; Cap. Alberto Herdy Alves, casado com Olga Magalhães Machado Herdy, proprietário sócio do Rio Hotel e Hotel Vera Cruz; Adolcina, casada com Dr. Leopoldo Duque Estrada, Juiz de Direito no Distrito Federal; Anna Cândida, casada com Raphael Gonçalves, comerciante no Rio de Janeiro.

Pertencia a diversas associações religiosas, era irmã da V. O. Terceira dos Meninos de São Francisco de Paula, Aia da N. S. das Dores da Igreja Candelária, Irmã de Santa Izabel, Irmã do Hospital São Salvador, Irmã Zeladora do Sagrado Coração de Jesus de Além Paraíba, Irmã do Santo Sepulcro (Jerusalém), Irmã do Santíssimo Sacramento de Além Paraíba, Protetora do Asilo Ana Carneiro...

Com o seu falecimento o seu corpo foi levado para a Igreja de São Francisco de Paula, onde se rezou oficio fúnebre, sendo dado à sepultura em jazigo perpétuo, no cemitério de Catumby, com grande acompanhamento e belíssimas coroas com carinhosas dedicatórias.  


Fonte: Almanack Para 1936 do município de Além Parahyba