sábado, 12 de outubro de 2013

PINTANDO PARA NÃO ESQUECER... Colorindo a história de Além Paraíba





Mauro Luiz Senra Fernandes -Professor Licenciado em História 
Especialista em Educação/História e em Gestão Escolar


“Criança, ama com fé e orgulho a terra em que nasceste!”Olavo Bilac

"O CAFÉ DÁ ALMA PARA QUEM NÃO TEM"

"O CAFÉ DÁ ALMA PARA QUEM NÃO TEM" - Lançamento em Agosto de 2013.
Mauro Luiz Senra Fernandes - Professor Licenciado em História - Especialista em Educação/História e Gestão Escolar


"QUEM NÃO CONHECE A HISTÓRIA, CORRE O RISCO DE REPETI-LA" - Lançamento em Janeiro 2013.
Mauro Luiz Senra Fernandes - Professor Licenciado em História - Especialista em Educação/História e Gestão Escolar

sábado, 15 de junho de 2013

"QUEM NÃO CONHECE A HISTÓRIA, CORRE O RISCO DE REPETI-LA" - Uma nova História de Além Paraíba...

Os interessados em adquirir esse novo livro, deixe o seu recado que entraremos em contato.


"Não tem sentido livrarmo-nos do passado para pensar apenas no futuro. Até o fato de nisso se acreditar já é uma ilusão perigosa. A oposição entre passado e futuro é absurda. O futuro não nos traz nada, não nos dá nada: somos nós que, para construi-lo, temos de dar-lhe tudo, dar-lhe até a nossa vida. Mas para dar, é necessário possuir; e nós não possuímos outra vida, outro sangue, além dos tesouros herdados do passado e dirigidos, assimilados, recriados por nós. Entre todas as exigências da alma humana, nenhuma é mais vital que a do passado" (Simone Weil)

segunda-feira, 6 de maio de 2013

DEMPSEY PEREIRA RAMOS – UM EMPREENDEDOR EM ALÉM PARAÍBA



Por Mauro Luiz Senra Fernandes

 
 O empreendedor tem um novo olhar sobre o mundo à medida que presencia a evolução. Valoriza suas experiências, valoriza seu valor, tomando decisões e decisões acertadas. Abre novas trilhas, explora novos conhecimentos, define objetivos e dá o primeiro passo.

Em Além Paraíba, podemos citar um grande empreendedor que não está mais entre nós e deixou um grande legado para o nosso município. Como foi o empresário Dempsey Pereira Ramos, nascido em 24 de fevereiro de 1924, natural do município do Rio de Janeiro e era filho de Henrique Aurélio Pereira Ramos e Emília Maria Pacheco Ramos.

Aos onze anos de idade decidiu que sua terra natal não era a mais indicada para se viver e partiu então para São José do Vale do Rio Preto - RJ, onde foi acolhido por uma família de libaneses e lá começou a trabalhar com aviários.

 Não se dando por satisfeito, aos vinte anos tomou uma grande decisão, juntamente com dois parentes, João Fellipo e Alecrino tornaram-se caixeiros viajantes saíram fazendo vendendo produtos pela região. O negócio prosperou e se expandiu entre Niterói, Cataguases, e Além Paraíba. 

Montaram três lojas de tecidos em cidades diferentes, brinquedos, cama, mesa, banho e enxoval completo de noivas. 

A sociedade foi desfeita e Dempsey ficou com a loja de Além Paraíba, a “Feira Egypciana” - a escolha teve a inspiração na revista “Seleções”. O primeiro endereço foi na Rua Capitão Varela, depois ela foi transferida para a Rua Coronel Oscar Côrtes, num prédio alugado da Sra. Arlete Galhardo de Mello até construir na mesma rua o seu prédio próprio. 

Casou-se em Santana de Cataguases, com Aparecida Iramar de Melo, nascida em 22 de julho de 1931, era filha de Abelardo Inácio de Melo e Dolores de Paula de Melo e tiveram três filhos: Daisy de Melo Ramos, Disnei de Melo Ramos e Dempsey Pereira Ramos Júnior. Aparecida trabalhava num cartório no município de Cataguases e após o casamento, tornou-se a sua principal parceira nos negócios.

Outra paixão de Dempsey era o esporte, participava de vários torneios de futebol nos clubes da cidade e onde conquistou inúmeros amigos.

A “Feira Egipcyana” foi uma das principais lojas do município, Dempsey e Aparecida faleceram e seus nomes estão registrados na história pelo exemplo de trabalho, garra e empreendedorismo. 
 

ALÉM DA ESCRAVIDÃO




 Alice Mara de Araújo Teixeira Côrtes


Rio Paraíba,
rio antigo, tempo recuado, tempo que se foi.
Rio passado, passando, passa.
Rio limpo, puro, Puris e Coroados.
Rio encachoeirado, ilhas abraçadas.

Portugueses chegam, se achegam
- encanta o canto do sabiá.
Vêem o rio, a mata, o índio Puri.
Exterminam o gentio, derrubam a mata,
fica só o rio: lamento infeliz.

Permanecem os brancos colonizadores:
fitam o escravo que chega,
roubado, forçado, escravizado.
Ecoam lamentos na África
no mar, nas Gerais, no Brasil.

Aquele que chega é só sombra,
remete-se à memória guerreira tribal;
reage, luta pela liberdade,
encontra-se a ferros, sofrendo no tronco.

Desmaia o amanhecer, nesse de Deus;
caminham os escravos em fila,
trabalho, enxada, foice, machado,
derrubam mata, plantam café.

Sinhô, Sinhá acordam,
são os donos dos santos, donos da terra,
donos da vida dos escravos.
Falam por eles, matam por ela,
descansam por eles.

Negro Congo, palavra escrava,
tinham quase todas as mãos
que trabalhavam no Império;
misterioso, feiticeiro, tornou amigos
Orixás e Santos, transformando-os
em uma entidade só.

Mãos servas, voz submissa,
cozinham na casa grande.
Mãos calosas, labutam
nas plantações de café.
O Senhor rico compra mais negros,
compra brasão, torna-se barão.
Poderoso entre velas, sedas e rendas
ergue a taça.
O negro o machado “alevanta”,
corre a anta, o tatu a onça.
O feitor a chibata levanta,
açoita o negro-rebelde-preguiça.

Tarde voltam à senzala cansados.
Senzala lugar das ausências.
Perderam família, liberdade
roubaram-lhes a pátria,
sumiram com seu nome,
batizados cristãos viram João Nação.

Já é noite, a lua brilha crescente,
relembrança, herança da África,
negro dança, cantos de banzo,
cantos de saudade, cantos de oração.
A fogueira arde, a fumaça se eleva
levando pedidos ao céu.
Batem os atabaques e tambores
bamboleios entrelaçam cadências;
têm rituais a mais
usanças aos Oxalás.
Negros batem o pé descalço no chão.
Saravá a Exu,
elevam a cabeça, olhos fechados ao céu.
Saravá aos Oxalás,
levantam os braços ao céu.
Saravá a Iemanjá,
seus olhos se abrem, seus braços
que caem
e clamam: “Até já”
Alinhavei, alinhavei, furando os
panos que cobriam a vergonha.
Costurei retalhos negros de presença
em todo o Brasil.
Sou branca e pelos brancos peço: Perdão!...

 

segunda-feira, 4 de março de 2013

RESGATANDO VALORES EM ALÉM PARAÍBA




Por Mauro Luiz Senra Fernandes



“Uma cidade não é o Homem ou a mulher que passa, a criança estudando, as autoridades no exercício de seus deveres, o operário trabalhando.

Tão pouco é a sua geografia, sua primaveras e verões, as incidentes tempestades e bonanças, a indústria e o comércio que lhe dão movimento e fazendo pulsar e prosperar as instituições profissionais ou recreativas.
O termo “cidade” ultrapassa os limites do que faz no pretérito, misturando glórias e dissabores, heróis e “João Ninguém”, tristezas e alegrias, fama e descrédito, vitórias e derrotas.

Nem mesmo o poder ocasional e temporal confiado às mulheres e aos homens públicos que governam, pela transitoriedade de maior ou menor dos cargos exercidos.

Pois cidade é algo mais duradouro, é a soma de tudo quanto ficou dito e mais alguma coisa, iniciada no instante de sua fundação e formação étnica, atravessando os anos de sua existência, cruzando o presente, continuando enquanto existir pedra sobre pedra, homens e mais mulheres, vida e mais vida. Mas sobretudo, desde que haja fraternidade, amor à terra, discussão construtiva, vontade em servi-la honestamente e desinteressadamente, debate puro e verdadeiro, desprendimento e senso de cidadania e de justiça.”

UMA HISTÓRIA DE SAPUCAIA – RJ E A SUA FORMAÇÃO



Por Mauro Luiz Senra Fernandes
 
Sapucaia é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro e um de seus principais distritos, além da sede, é Jamapará, na divisa do município de Carmo, no Estado do Rio, com Além Paraíba, em Minas Gerais. Os demais distritos são Anta, Aparecida e Volta do Pião.

Conhecida como a "cidade da mangas", pois esse fruto é amplamente cultivado pelos habitantes locais. 

No século XVII essa região era habitada pelos índios Purís, Coroados oriundos da região de Valença, uns poucos Goytacazes que vieram da região de Campos e alguns aventureiros que ilegalmente bateavam ouro, foram os primeiros moradores.

Em 1784, quando foi criado o Porto ou Registro do Cunha com objetivo de prender contrabandistas de ouro,  o ponto de parada de tropeiros era em Sant’Ana - atual Jamapará, as comitivas de tropeiros faziam paradas para repouso à sombra das grandes sapucaias que ali existiam.

Com o fim do ouro na Zona da Mineração em Minas Gerais, muitas famílias vieram povoar essa região e com a expansão da economia cafeeira no Vale do Paraíba, provocou um fluxo continuo de pioneiros, como os Breves de Piraí que formaram a Fazenda Aparecida e os Souza Brandão - Dr. Luís de Souza Brandão – Barão de Porto Novo e o Major José de Souza Brandão - Barão de Aparecida.

Segundo o botânico inglês George Gardner, que passou por essa região por volta de 1841, “Sapucaia é uma pequena aldeia com poucas casas de recente construção, que deve sua origem à proximidade de uma nova ponte, ora em construção sobre o rio, em conexão com a estrada para a Província de Minas Gerais.”
Com a implantação da Estrada de Ferro Dom Pedro II, Sapucaia teve onde escoar toda a sua produção de café e entorno de sua estação ferroviaria a vila cresceu e prosperou.

Em 1856, devido aos esforços de Augusto de Souza Furtado, Domingos Antônio Teixeira e José Joaquim Marques Melgaço, donos de vastas porções de terras entre os rios Calçado e Paraíba do Sul, surgiu um novo arraial com o nome de Santo Antônio de Sapucaia, em homenagem ao padroeiro do curato.

Em l87l graças a expansão da localidade, Sapucaia alcançou o predicado de Freguesia, conservando os limites que tinha como Curato Eclesiástico na Província. Em 1871 passou a designar Freguesia de Santo Antônio de Sapucaia e, em 1874, passou a categoria de Vila de Sapucaia, constituindo-se sede do novo município, instalado em 28 de fevereiro de 1875.

Na Vila sede do novo município que, por não ser canonicamente provida como era de Lei, Sapucaia não possuía Cartórios de registro civil e de imóveis, o que obrigava aos que ali nasciam ou faleciam ou que adquiriam e vendia bens imóveis, a fazer os respectivos registros nas Freguesias de Aparecida ou de São Jose do Vale do Rio Preto, que eram canonicamente providas. Esta situação foi corrigida em 1875 por pressão da Câmara Municipal junto ao Bispo Diocesano.

Entre os cidadãos sapucaienses que lideraram a luta pela a sua emancipação e constituídas a primeira Cãmara, temos os seguintes nomes: Major José de Souza Brandão - Barão de Aparecida, Manoel Ventura Marinho, Francisco José de Sales, Dr. João Rodrigues de Araújo França, o Engenheiro Civil Guilherme Augusto de Souza Leite, Dr. João Antonio de Medeiros e José Antonio do Valle, e suplentes, Galdino Alves do Banho e Joaquim Fernandes Braga.

Em 1930, tomou posse como prefeito o Coronel Augusto Parácio, grande negociante de café no Distrito de Santana – Jamapará.