sábado, 24 de setembro de 2011

FAZENDA OURO FINO E A FAMÍLIA ALMEIDA MAGALHÃES

Por Mauro Luiz Senra Fernandes




FAMÍLIA ALMEIDA MAGALHÃES E A FAZENDA OURO FINO

Em fins do século XVI, com menos de dois milhões de habitantes, Portugal não era um país rico. A Espanha passara a dominar toda a Península Ibérica e a colônia do Brasil fora dividida em dois governos – do sul dirigido por Dom Francisco de Souza. Este administrador foi quem trouxe para cá especialistas em mineração e organizou buscas de ouro pelo interior brasileiro. Foi dado o início à exploração do primeiro ouro descoberto em São Paulo e instalaram-se fábricas de aproveitamento de ferro.
Foram os paulistas, incentivados pela Coroa, que marcharam sobre a mata do interior brasileiro, abrindo picadas, subindo serras, atravessando rios, verdadeiras expedições exploradoras, descobrindo metais preciosos, numa marcha que plantou povoações e avançou sobre o Tratado de Tordesilhas, permitindo o redesenhamento futuro do vasto território brasileiro.
Tais explorações não eram abundantes, mas prepararam os paulistas para grandes conquistas mais ao interior, os descobrimentos das minas de ouro, aquelas que haveriam de enriquecer Portugal e alimentar a Inglaterra.
Nos locais onde hoje estão as cidades de São João Del Rei, Mariana, Ouro Preto e Sabará, formaram-se os quatros grandes núcleos da formação das Minas Gerais e foram plantadas as sementes da autêntica gênese mineira. Portugueses, cristãos novos, paulistas, índios e negros, uniram-se para a formação da família das Minas Gerais.
No século XVII, na região de São João Del Rei, surgia o português Bento Pinto de Magalhães, enriquecido na mineração. Casou-se com gente da terra, pernambucana e paulistana, que marcou a história de Minas Gerais.
O português Bento Pinto de Magalhães nasceu na freguesia de São Salvador de Moure, Arcebispado de Braga e era filho de Bento Pinto e de Senhorinha Ribeiro. Casou-se no dia 2 de maio de 1755, na Matriz de Nossa Senhora do Pilar da Vila de São João Del Rei, com Maria do Rosário Accioli de Albuquerque, natural de Aiuruoca, MG.
O casal Bento Pinto de Magalhães e Maria do Rosário Accioli de Albuquerque teve sete filhos:

Maria Josefa de Magalhães casou-se com o Capitão José Alves Magalhães, filho de Caetano Alves Magalhães e de Isabel Maria da Silva.

Francisca Maria Magalhães falecida em 1828, solteira.

Bento Pinto de Magalhães Filho casou-se com Maria Pires de Araújo, filha de Inácio de Souza Botafogo e de Ana Barbosa de Jesus.

Ana Gertrudes de Magalhães casou-se com o Capitão Manoel Alves França.

Rita Marcelina de Magalhães casou-se com o Capitão Antônio Alves França.

Francisco Pinto Magalhães casou-se com Maria Custódia da Assunção Leite Ribeiro, filha do Sargento-Mor José Leite Ribeiro e de Escolástica Maria de Jesus Morais.

Mércia Joaquina Pinto Magalhães nasceu em 1756 0u 1757, em São João Del Rei. Em abril de 1766, época do inventário de seu pai Bento Pinto de Magalhães - patriarca da família Magalhães Pinto de Minas Gerais, estava com nove anos de idade. Faleceu a 15 de agosto de 1826, com testamento datado de 3 de julho de 1824. Casou-se em 1770, aproximadamente, em São João Del Rei, com o primo Pedro de Alcântara de Almeida, nascido na cidade de São Paulo e falecido a 23 de janeiro de 1815, em São João Del Rei, onde serviu os cargos de Almotacel, Vereador, Juiz Ordinário e Capitão de Ordenanças. Pertencia a família Furquim de São Paulo. Era filho de Caetano Furquim de Campos e de Isabel Sobrinha de Almeida.

Com o casamento de Mércia Joaquina Pinto Magalhães e o Capitão Pedro de Alcântara de Almeida teve o início à família Almeida Magalhães. O Casal teve sete filhos:

Aureliano de Almeida Magalhães, alferes, nascido a 19 de abril de 17812, em São Joao Del Rei, e falecido na mesma localidade em 1818, solteiro.

Anna Rosa de Jesus de Almeida, nascida em 1782 ou 1784, em São João Del Rei e falecida na mesma localidade em 1848. Casou-se a primeira vez com Antônio Barbosa de Lima e a segunda vez com o Tenente Thomaz Coelho dos Santos, mas não deixaram descendentes.

João Pinto de Almeida, falecido em terá idade.

Constança Leocádia de Almeida Magalhães, nascida a 7 de março de 1785, em São João Del Rei, e falecida na mesma localidade em 1815 ou em 1819, solteira.

Mariana Querubina de Almeida Magalhães, nascida a 21 de março de 1787, em São João Del Rei, e falecida na mesma localidade em 1808. Casou-se com José Gonçalves Côrtes e tiveram duas filhas: Maria e Ana que em 1815, órfãs de mãe, residiam com a avó paterna no Rio de Janeiro.

Francisco de Paula de Almeida Magalhães, nascido a 25 de março de 1788, em São João Del Rei, e falecido na mesma localidade a 10 de novembro de 1848. Casou a primeira vez no dia 2 de outubro de 1826, em São João Del Rei, com a prima Ana Custódia de Magalhães Pinto, filha de Francisco Pinto de Magalhães e de Maria Custodia da Assunção Leite Ribeiro. Viúvo a 8 de setembro de 1827, convolou núpcias a 1 de dezembro de 1827, em São João Del Rei, com Mariana Carolina de Magalhães Pinto, irmã da primeira mulher.

Teve, quando solteiro, quatro filhos bastardos que foram reconhecidos:

Sabino de Almeida Magalhães, casado com a prima Defina Leocádia de Magalhães Pinto, filha de Francisco Pinto de Magalhães e de Maria Custodia da Assunção Leite Ribeiro; Francisco de Paula de Almeida Magalhães Filho; João Baptista de Almeida – quando do inventário de seu pai, em 1849, vivia na Vila de Silveiras, Província de São Paulo; Bernardo de Almeida Magalhães, casado com Raquel de Aguiar. Em 1849 vivia em Vassouras, Província do Rio de Janeiro.

De seu primeiro casamento teve apenas um filho:

Comendador Custódio de Almeida Magalhães, nascido em São João Del Rei a 28 de agosto de 1827 e falecido na mesma localidade a 4 de junho de 1891. Fundador do antigo Banco Almeida Magalhães. A 3 de fevereiro de 1855 casou-se com Maria Carlota Batista Machado, filha do Comendador Carlos Batista Machado e Maria Tereza Batista Machado. Em segundas núpcias, casou-se no dia 30 de julho de 1857 com a cunhada Ambrosina Batista Machado.

De seu segundo casamento nasceram onze filhos:

Aureliano de Almeida Magalhães, solteiro, falecido em São João Del Rei aos 24 anos de idade; Mariana Izabel de Almeida, solteira, falecida em São João Del Rei aos 17 anos de idade; João Paulo de Almeida Magalhães, advogado e comerciante de café. Casou-se com Lucila Eugênia Teixeira Leite, filha do Comendador Francisco José Teixeira e Souza e de Maria Gabriela Teixeira Leite; Caetano de Almeida Magalhães Leite, casado a primeira vez com a prima Delfina Leocádia e a segunda vez com Rosa Amélia de Barros Faria; Gabriel de Paula de Almeida Magalhães, casado com Maria do Carmo Monteiro de Castro, filha do Primeiro Barão de Leopoldina e não deixaram descendentes; Eduardo de Almeida Magalhães, natural de Além Paraíba, engenheiro civil, pouco depois de formado fez parte da comissão de engenheiros encarregada do lançamento da linha telegráfica do Paraná, proprietário da Fazenda Barra do Ouro Fino na cidade de Além Paraíba, MG, casado a primeira vez com Virgínia Vidal Leite Carneiro e a segunda vez com Cândida Rosa Sobral de Almeida Magalhães, filha do médico Luiz Sobral Pinto e Cândida Rosa Cavalcante Albuquerque Sobral; Francisco Leite de Almeida Magalhães, casado com Maria Luiza Teixeira de Magalhães; Ana Cândida de Almeida Pinto, casada com Francisco Leite Pinto; Emilia de Almeida Magalhães; Francisca de Paula de Almeida Pinto, casada com Antônio Leite Pinto; Maria da Glória de Almeida Rocha, casada com o advogado José Moreira da Rocha; e o Tenente Coronel João Baptista Pinto de Almeida, casou-se a primeira vez com Rita de Cássia de Paiva e a segunda vez com Luiza Maria Monteiro de Noronha.
Sabino de Almeida Magalhães, casado com a prima Defina Leocádia de Magalhães Pinto

Maria Gabriela Teixeira Leite,sogra do Dr.João Paulo de Almeida Magalhães, advogado e comerciante de café. Casou-se com Lucila Eugênia Teixeira Leite

Pedro de Almeida Magalhães, médico, casado com Sarah Carneiro de Mendonça e filho de João Paulo de Almeida Magalhães e Lucila Eugênia Teixeira Leite

EDUARDO DE ALMEIDA MAGALHÃES

Engenheiro civil, pouco depois de formado fez parte da comissão de engenheiros encarregada do lançamento da linha telegráfica do Paraná, proprietário da Fazenda Barra do Ouro Fino na cidade de Além Paraíba, MG, casado a primeira vez com Virgínia Vidal Leite Carneiro e a segunda vez com Cândida Rosa Sobral de Almeida Magalhães – “Candoca”, nascida em Além Paraíba, na “Chácara Sobral”, onde hoje situa-se o atual Colégio Santos Anjos, filha do médico Luiz Sobral Pinto e Cândida Rosa de Albuquerque Cavalcante Sobral, irmã de Priamo Sobral Pinto – pai do jurista Dr. Heráclito Fontoura Sobral Pinto, neta paterna de Antônio Dias Sobral e de Margarida Madalena de Jesus e neta materna de José Mariana de Albuquerque Cavalcante.

Do primeiro casamento teve os seguintes filhos:

Eduardo Leite de Almeida Magalhães.

Alexina de Magalhães Pinto, nascida em São João Del Rei a 4 de julho de 1870 e falecida em fevereiro de 1921, em Correias, RJ. Casou-se com o primo Floriano Leite Pinto.

Maria da Gloria de Magalhães Gama, casada com o médico Paulo Villas Boas da Gama.

Do segundo casamento nasceram:

Luiz de Almeida Magalhães.

Comandante Aureliano de Almeida Magalhães, oficial da Aviação.

Ângelo de Almeida Magalhães, fazendeiro em Rio dos Índios, no Estado do Rio de Janeiro.

Dr. Plinio de Almeida Magalhães, professor catedrático da escola Politécnica do Rio de Janeiro.

Dr. Abel de Almeida Magalhães, engenheiro, residente em Bauru, Estado de São Paulo.

Ana Custódia Sobral de Almeida Magalhães, faleceu no dia 24 de julho de 1936, em consequência de um desastre de automóvel de que foi vitima na localidade de Benjamin Constant. Dotada de invejável cultura e de um belo espirito, ativo, empreendedor, gozava a distinta moça, inteligente e boa, de um nome real prestigio entre os mais adiantados agricultores do município de Além Paraíba. Administrava com rara competência a importante Barra do Fazenda Ouro Fino, situada em Benjamin Constante e de propriedade de sua mãe.

Mariana Sobral de Almeida Magalhães.

Ruth de Almeida Magalhães Parreiras Horta, casada com o médico Paulo Parreiras Horta, residentes no Rio de Janeiro.

Nair de Almeida Magalhães Castello Branco, nascida em 21 de junho de 1889 e casou-se no dia 4 de maio de 1910, com o médico José Lima Castello Branco, filho caçula do Dr. Antônio José de Lima Castello Branco e Maria do Carmo Martins da Costa Cruz.

Edith Sobral de Almeida Magalhães, casada o Dr. Hugo Floriano Motta, Prefeito Municipal de Friburgo, no Estado do Rio de Janeiro.

Nair de Almeida Magalhães Castello Branco e o médico José Lima Castello Branco

Fonte: Dois Troncos Mineiros: Bento Pinto de Magalhães e Francisco José Alvarenga – José Batista de Alvarenga Coelho; Dicionário das Famílias Brasileiras – Antônio Henrique da Cunha Bueno e Carlos Eduardo de Almeida Barata; Almanack Para 1935 do Município de Além Parahyba – Organizado por: Dr. Aristóteles Lobo, Raul de Carvalho Marques e Francisco de Carvalho Marques




domingo, 11 de setembro de 2011

CARLOS JOSÉ FERREIRA E CAROLINA MARIA DE JESUS

Por Mauro Luiz Senra Fernandes


Brasão da Família Ferreira

Carlos José Ferreira era natural de Barbacena – Província de Minas Gerais. Era filho de José Ferreira Armond e Constancia Raimunda da Silva, neto paterno de José Ferreira Armond, morador na Freguesia de Nossa Senhora da Piedade da Borda do Campo – Comarca do Rio das Mortes e de Anna Maria de Jesus; e era neto materno do Coronel Carlos José da Silva e Ignácia Rosa Angélica da Silva. Era bisneto de Francisco Ferreira Armond e Ângela Maria da Conceição; de Bartolomeu Gonçalves e Maria do Rosário; de Francisco Gomes da Silva e Theodora Maria dos Reis; e de Feliciano de Almeida Carvalho e Margarida Thereza da Cruz.

Era irmão de Carlotta Theotônia da Silva, que era casada com o Capitão Ribeiro Nunes
– tio de sua esposa.

Carlos José Ferreira transferiu-se para a região do Ribeirão da Conceição, em Santo Antônio do Aventureiro, onde era proprietário rural e diversificava seus investimentos como tropeiro, possuía sua própria tropa em parceria com seu tio Simplício José Ferreira da Fonseca.

Casou-se com sua prima Carolina Maria de Jesus – “Vovó da Cachoeira” - nascida em Barbacena no ano de 1829 e faleceu em 21 de maio de 1920, era filha de Antônio Martins do Couto e Maria Victória de Jesus. Era provavelmente neta paterna do Guarda Mor Manoel Gonçalves Couto e Mariana Angélica Gonçalves; e era neta materna do Coronel João Ferreira da Fonseca e Josepha Maria de Assumpção. Era bisneta materna do Capitão João Ferreira da Fonseca e Anna Jacintha da Conceição; e de Francisco Ribeiro Nunes, fazendeiro no Campo do Ribeirão de Ibertioga e Joanna Maria da Conceição – pertencente a família Ferreira Armond.

Carlos José Ferreira e Carolina Maria de Jesus tiveram os seguintes filhos:

Maria Carolina de Jesus – “Mariazinha Senra” - nascida em 1852, faleceu em 25 de julho de 1943 e casou-se na Fazenda Paciência – Vila de Angustura, no dia 17 de julho de 1875 com o Capitão Pedro de Oliveira Senra, nascido em 29 de agosto de 1855, na fazenda Vargem Grande do Rio Angu, em São Sebastião do Monte Verde – Distrito de Mar de Espanha e faleceu em 11 de junho de 1939, na Vila de Simplício e foi sepultado em Santo Antônio do Aventureiro. Era proprietário da sesmaria São Pedro e herdou a Fazenda Terra Corrida, foi primeiro Juiz de Paz de Santo Antônio do Aventureiro e filho de Manoel de Oliveira Senra e Maria Luiza de Jesus, proprietários da Fazenda Vargem Grande do Rio Angu.
De seu casamento tiveram os seguintes filhos:

•• Carlos de Oliveira Senra, nasceu em 1878, em Santo Antônio do Aventureiro e faleceu em 21 de abril de 1956, no Município de Além Paraíba. Foi casado em primeiro matrimônio com a prima Carolina Ferreira Senra, nascida em 1878, faleceu no dia 10 de novembro de 1920 e era filha de seu tio materno de José Carlos Ferreira e de Anna Joaquina de Cerqueira Leite. Foi casado em segundo matrimônio no dia 21 de abril de 1921, na Terra Corrida, na Fazenda São Pedro, com sua prima Anna Ferreira de Cerqueira – irmã de sua esposa Carolina, nascida em Santo Antônio do Aventureiro, no dia 12 de outubro de 1885 e casou-se em terceiro matrimônio com a viúva Maria José Dutra de Morais;
•• Josephina de Oliveira Senra – “Finoca” - casada com o primo Carlos Ferreira de Cerqueira, nascido em 1 de junho de 1874 e batizado em 15 de agosto do mesmo ano, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, filho de seu tio materno José Carlos Ferreira e de Anna Joaquina de Cerqueira Leite;
•• Pedro de Oliveira Senra Filho – “Pepedro” - nasceu em 1888 e faleceu em 16 de junho de 1961, casado com sua prima Maria Ferreira Senra, nascida em 1884, filha de seu tio materno José Carlos Ferreira e de Anna Joaquina de Cerqueira Leite;
•• Cora de Oliveira Senra, casada em 9 de novembro de 1912, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com o primo Eurico de Oliveira Senra, filho de seu tio paterno Capitão José de Oliveira Senra – Capitão Zeca Senra e da prima de sua mãe Luiza Alves Garcia;
•• Carolina de Oliveira Senra, casada com o primo Antônio de Oliveira Senra – “Totonho Senra” - filho do Capitão José de Oliveira Senra – Capitão Zeca Senra e da prima de sua mãe Luiza Alves Garcia;
•• Cristiana de Oliveira Senra, casada em 26 de novembro de 1900, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com o primo Manoel de Oliveira Senra – “Gogosta” - filho de seu tio paterno Manoel de Oliveira Senra e de Francisca Furtado de Oliveira;
Família de Cristiana de Oliveira Senra

•• Maria Luiza de Oliveira Senra – Mocinha, casada com José de Castro – “Juca Guarany”;
•• Manoel de Oliveira Senra, casado com Marietta Brandão Senra, filha de Júlio Santos Brandão e Maria de Paula Brandão;
•• José de Oliveira Senra Sobrinho – “Juca Senra” - casado em primeiro matrimônio com Maria Dutra de Cerqueira, filha de Antônio Dutra de Morais e Guilhermina de Cerqueira Leite e, em segundo matrimônio, no dia 5 de maio de 1920, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com a viúva de seu irmão Marietta Brandão Senra;
•• Joaquim de Oliveira Senra – “Quinquim” - casado em 5 de maio de 1920, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com Julieta Brandão Senra, filha de Júlio Santos Brandão e Maria de Paula Brandão; e
•• Álvaro de Oliveira Senra, que nasceu em 26 de fevereiro de 1888, foi batizado em 11 de abril do mesmo ano e faleceu na infância.;
Fazenda São Pedro - Terra Corrida - Santo Antônio do Aventureiro, MG

José Carlos Ferreira, nasceu em 1853, era proprietário da Fazenda do Buraco Quente – na Terra Corrida, em Santo Antônio do Aventureiro e casou-se em 25 de maio de 1872, às 2 horas da tarde, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com Anna Joaquina de Cerqueira Leite, nascida em Santo Antônio do Aventureiro, no ano de 1851 e faleceu de insuficiência cardíaca, na Fazenda da Cachoeira em São José de Além Paraíba, no dia 29 de março de 1901 e era filha de José Francisco de Cerqueira Leite e Maria Joaquina de Cerqueira.
De seu casamento tiveram os filhos:

•• Guilhermina Ferreira de Cerqueira – “Tia Velha” - nascida em 2 de janeiro de 1876 e batizada no dia 30 de janeiro do mesmo ano, na capela de Santo Antônio do Aventureiro. Casou-se no dia 25 janeiro de 1876, na Fazenda Cachoeira, propriedade de sua avó Carolina Maria de Jesus e seu segundo esposo Capitão Vicente Mendes Ferreira Júnior, com Simplício Dutra de Morais, filho de Francisco de Oliveira Moraes e Michelina Dutra de Morais;
•• Theodolina Ferreira Teixeira – “Dulica” - nascida em Santo Antônio do Aventureiro, em 8 de março de 1873 e foi batizada em 19 de abril do mesmo ano, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro. Foi casada com o Capitão Álvaro dos Santos Teixeira, proprietário da Fazenda Córrego do Cedro, filho de Joaquim Manoel Teixeira e Maria Seraphina dos Santos Nora – descendente da família Souza Breves;
Mariquinhas Teixeira Ribeiro e seu esposo Antônio José Ribeiro -Zicote, filha de Thedolina Ferreira Teixeira e do Cap. Álvaro dos Santos Teixeira

Álvaro dos Santos Teixeira Filho (Filhinho), filho de Theodolina Ferreira Teixeira e do Cap. Álvaro dos Santos Teixeira

•• José Carlos Ferreira Júnior – “Juca Ferreira” - casado com a prima Maria Custódia de Cerqueira Leite, filha de Custódio de Cerqueira Leite e Felisbina Carlotta de Jesus;
•• Carlos Ferreira de Cerqueira, nascido em 1 de junho de 1874 e batizado em 15 de agosto do mesmo ano, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro. Foi casado com a prima Josephina de Oliveira Senra – “Finoca” - filha de sua tia paterna Maria Carolina de Jesus – Mariazinha Senra e do capitão Pedro de Oliveira Senra;
•• Carolina Ferreira Senra – “Carola” - nascida em 2 de agosto de 1877, foi batizada em 23 de setembro do mesmo ano – na Capela de Santo Antônio do Aventureiro e seus padrinhos foram: Antônio Francisco de Cerqueira e sua avó Carolina Maria de Jesus e faleceu no dia 10 de novembro de 1920 de “Hemorragia post partum”. Casou-se com seu primo Carlos de Oliveira Senra, filha de sua tia paterna Maria Carolina de Jesus – Mariazinha Senra e do Capitão Pedro de Oliveira Senra;
Maria, Olga e Raul Ferreira Senra, filhos de Carolina Ferreira Senra e Carlos de Oliveira Senra

•• Virgílio Ferreira de Cerqueira – “Loló” - nasceu em 15 de dezembro de 1879, foi batizado em 4 de abril de 1880, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro e faleceu em 10 de julho de 1956, em Além Paraíba. Casou-se com Maria da Glória dos Santos Teixeira – irmã de seu cunhado Álvaro dos Santos Teixeira, filha de Joaquim Manoel Teixeira e Maria Seraphina dos Santos Nora – descendente da família Souza Breves;
•• Maria Ferreira Senra, nascida em 1884, casou-se com o primo Pedro de Oliveira Senra Filho – Pepedro, filho de sua tia paterna Maria Carolina de Jesus – “Mariazinha Senra” - e do Capitão Pedro de Oliveira Senra;
•• Anna Ferreira de Cerqueira – “Sanica” - casou-se com o marido de sua irmã falecida Carolina, Carlos de Oliveira Senra, filho de sua tia paterna Maria Carolina de Jesus – Mariazinha Senra e do Capitão Pedro de Oliveira Senra; e
•• Geraldina Ferreira de Rezende – “Geralda” - nasceu no ano de 1892, casou-se com Carlos Medeiros de Rezende, filho do Capitão José Medeiros de Rezende e Maria Rosa de Medeiros.; e

Carlotta Carolina de Jesus, nascida no ano de 1855 e faleceu no ano de 1886 – com apenas vinte cinco anos de idade de “Hemorragia post partum”. Casou-se na Fazenda Boa Vista, no dia 21 de outubro de 1870, com o primo de sua mãe Carlos Alves Garcia, fazendeiro em Santo Antônio do Aventureiro, era filho de Manoel Alves Garcia e de sua tia-avó Bernardina Carolina de Jesus e tiveram os filhos:

•• Camillo Alves Garcia, nascido em 1872;
•• Carolina Carlotta de Jesus – “Carolina Taranto” - nascida em 28 de novembro de 1873, batizada em 1 de janeiro de 1874 e casada com o industrial italiano Nicolau Taranto;
•• Cândida Carlotta de Jesus, nascida em 1874 e casada com João Baptista de Freitas;
•• Carlos Alves Garcia Júnior, nascido em 3 de janeiro de 1877, batizado em 4 de março de 1877 e casado com Perciliana Alves Ferreira; e
•• Clotilde Carlotta de Jesus, casada com o primo Américo Alves Garcia, filho de Elias Alves Garcia e Mariana Costa.

Carlos José Ferreira faleceu prematuramente em Santo Antônio do Aventureiro, no dia 22 de janeiro de 1856, deixando sua esposa com três filhos pequenos e grávida do quarto filho, que nasceu morto e, o tutor de seus filhos, foi o seu sogro Antônio Martins do Couto.

Carolina Maria de Jesus contraiu segundo matrimônio no ano de 1859, com o Capitão Vicente Mendes Ferreira Júnior, que nasceu em 1834, na Cidade de Barbacena, filho de Vicente Mendes Ferreira e Carolina Maria Ferreira, foi o primeiro proprietário da Fazenda da Cachoeira, em São José de Além Paraíba e da Fazenda Paciência, na Vila de Angustura, maior acionista da Empresa Carril Além Paraíba e vereador no Município de São José de Além Paraíba.

Sede Primitiva da Fazenda da Cachoeira - Vila Caxias - Além Paraíba, MG

Fazenda da Cachoeira - Vila Caxias - Além Paraíba, MG

domingo, 4 de setembro de 2011

ORIGEM DA FAMÍLIA MARTINS DO COUTO EM MINAS GERAIS

Por Mauro Luiz Senra Fernandes



Santo Antônio do Aventureiro, MG

Acredita-se que a Família Martins do Couto se inicia com o Guarda-Mor Manoel Gonçalves Couto, que nasceu em 1750, natural do Arcebispado de Braga – Portugal e casado com Mariana Angélica Gonçalves, natural de Itaverava, Província de Minas Gerais e possivelmente seus filhos foram:

Alferes Francisco Gonçalves Couto, era fazendeiro, nasceu em São José do Xopotó, Alto do Rio Doce, casado em primeiro matrimônio com Anna Gonçalves Côrtes, filha de José Gonçalves Côrtes, natural do Acerbispado de Braga – Portugal, e de Mariana Rios, casado em segundo matrimônio com Josepha D’Avila Lobo Leite Pereira, filha do Guarda-Mor Antônio Agostinho Lobo Leite Pereira, que faleceu em 1815 e Anna Francisca D’Avila e neta de Josepha D’Avila e Silva Figueiredo (há uma Anna Benedita de Ávila Leite que recebeu uma sesmaria numa mesma época e lugar que Antônio Martins do Couto, Padre Manoel Gonçalves Couto e Julio Aureliano Couto, no Ribeirão da Conceição entre 1817 e 1819).
Filhos do primeiro matrimônio do Alferes Francisco Gonçalves Couto:

•• Anna Balbina Côrtes Couto, casada com João Gonçalves Guedes;

•• Francisca Carolina Côrtes Couto, casada com Francisco Antunes de Siqueira;

•• Agostinho Côrtes (retirou o nome Couto para não ficar com o mesmo nome de seu tio Agostinho Couto), casado com Anna Couto;

•• Maria Jesuína Côrtes Couto – Vovó da barra ou Maria da Espera, nascida em 1805, casada com Joaquim Cesário de Figueiredo, nascido em 1800, em São José do Xopotó – Alto do Rio Doce e em São José de Além Paraíba, foram desbravadores da Fazenda da Barra.
Filhos do segundo matrimônio do Alferes Francisco Gonçalves Couto:

•• Antônio Gonçalves Couto, casado com Bárbara Moreira Penna – tia do Conselheiro Afonso Penna;

•• José Gonçlalves Couto, casado com Porcina Maria de Barros.;

Agostinho Gonçalves Couto

Padre Manoel Gonçalves Couto, recebeu uma sesmaria no Ribeirão da Conceição em 3 de abril de 1818;

Júlio Aureliano do Couto, casado com Anna Cândida da Costa, proprietário da fazenda Córrego do Monteiro, recebeu uma sesmaria no Ribeirão da Conceição no dia 4 de abril de 1817, em Santo Antônio do Aventureiro e faleceu em 13 de dezembro de 1872 e seus filhos foram:

•• Júlio Aureliano Martins do Couto, casado com Francisca Carlotta de Castro;

•• Maria Thereza do Carmo, casada com o primo Custódio Martins do Couto, filho de seu tio Antônio Martins do Couto e Maria Victória de Jesus e seus filhos foram:
••• Apolinário Martins do Couto, faleceu com vinte dias de nascido, em 3 de agosto de 1886;
••• Anna Martins do Couto;
••• Thereza Martins do Couto;
••• Júlia Martins do Couto;
••• Felisbina Martins do Couto; e
••• Francisca Martins do Couto.;

•• Antônio Júlio da Costa, casado com Carolina Dutra de Morais;

•• Francisco de Assis Aureliano do Couto, casado com Thereza Carolina da Costa;

•• José Aureliano do Couto, casado com a prima Firmina Maria de Jesus, filha de seu tio Antônio Martins do Couto e Maria Victória de Jesus e seus filhos foram:
••• Emiliana Martins do Couto, nascida em 1870, foi casada com Antônio José Fernandes e tiveram os filhos: Alfredo Martins Fernandes, casado com Virginia; Rosa Martins Fernandes; Agnelo Martins Fernandes; e Sophia Fernandes Gama.
••• José Aureliano Martins do Couto, nascido no ano de 1872;

•• João Aureliano do Couto, casado com Francisca Cândida Velloso;

•• Clara Cândida da Costa, faleceu em fevereiro de 1873, foi casada com Antônio Gonçalves Velloso e seus filhos foram:
••• Antônio Gonçalves Velloso, nasceu em 1867;
••• Júlio Aureliano Gonçalves Velloso, nascido em 1869; e
••• Francisca Cândida da Costa.;

•• •• Anna Cândida da Costa, casada com o primo Coronel Francisco Martins do Couto, filho de seu tio Antônio Martins do Couto e Maria Victória de Jesus e seus filhos foram:
••• Maria Natalina Martins Fortes – Sinhá, casada com o comerciante libanês, Capitão Jorge José Fortes;
••• Eduardo Martins do Couto, fazendeiro no Município de Resplendor – no Vale do Rio Doce;
••• Simplício Martins do Couto, fazendeiro em Benjamim Constant;
••• Laudelina Martins da Costa, nascida em 1873, casada com Agilberto Costa, fazendeiro em Santo Antônio do Paraibuna – Juiz de Fora; e
••• Bernardina Martins Coutinho, casada com o Coronel Rufino Coutinho – fazendeiro em Penha Longa; e
••• Clara Martins do Couto, nascida em 1875.;

•• Maria Luiza do Carmo, casada com Júlio Aquino Xavier;

•• Ritta Cândida da Costa, nascida em 1857 e casada com Antônio Teixeira de Carvalho;

•• Joaquim Marcellino do Couto, nascido em 1854, faleceu em 18 de setembro de 1872, assassinado por um escravo;

•• Agostinho Aureliano do Couto, nascido em 1859.Filhas de Júlio Aureliano Couto

Antônio Martins do Couto, que nasceu em 1793, foi vereador substituto na Câmara de Barbacena em 1822 e em 9 de outubro de 1817, recebeu uma sesmaria no sertão do Rio Paraíba, no Ribeirão da Conceição onde deságua no Rio Paraíba e formou a Fazenda da Conceição do Paraíso - faleceu em 1897, em São José de Além Paraíba e casou-se com Maria Victória de Jesus, filha do Coronel João Ferreira da Fonseca e Josepha Maria de Assumpção, nascida em 1808, na Fazenda Olho D’Água, em Barbacena, faleceu na Fazenda da Conceição do Paraíso, no dia 23 de junho de 1873, em 27 de julho de 1818 recebeu uma sesmaria no sertão do Rio Paraíba, entre as serras da Conceição e Feia, faleceu em 23 de junho de 1876, na Fazenda da Conceição do Paraíso, em Santo Antônio do Aventureiro.
Alto da Conceição - Distrito de Santo Antônio do Aventureiro, MG - antiga Sesmaria do Alto Conceição ou Fazenda da Conceição do Paraíso, em 1896, parte dessas terras foram doadas para construção da Capela pelos herdeiros Francisco Martins do Couto e sua esposa Anna Cândida da Costa e Custodio Martins do Couto e sua esposa Maria Thereza do Carmo

Antônio Martins do Couto e Maria Victória de Jesus tiveram os seguintes filhos:

•• Carolina Maria de Jesus – “Vovó da Cachoeira” - nasceu em Barbacena no ano de 1829 e faleceu em 21 de maio de 1921, na Fazenda da Cachoeira em São José de Além Paraíba.
Foi casada em primeiro matrimônio com o primo Carlos José Ferreira, fazendeiro na Conceição, e negociante de cargas, natural de Barbacena e faleceu prematuramente em Santo Antônio do Aventureiro, no dia 22 de janeiro de 1856, era filho José Ferreira Armond e Constancia Raimunda da Silva, neto paterno de José Ferreira Armond, morador na Freguesia de Nossa Senhora da Piedade da Borda do Campo – Comarca do Rio das Mortes e Anna Maria de Jesus, e neto materno do Coronel Carlos José da Silva e Ignácia Rosa Angélica da Silva.
Em 1859, contraiu segundo matrimônio com Capitão Vicente Mendes Ferreira Júnior, que nasceu em 1834, na Cidade de Barbacena, filho de Vicente Mendes Ferreira e Carolina Maria Ferreira, foi o primeiro proprietário da Fazenda da Cachoeira, em São José de Além Paraíba, da Fazenda Paciência, na Vila de Angustura e da Fazenda Terra Corrida, em Santo Antônio do Aventureiro. Foi também, o maior acionista da Empresa Carril Além Paraíba e vereador no Município de São José de Além Paraíba.
De seu matrimônio com Carlos José Ferreira, teve os seguintes filhos:
••• Maria Carolina de Jesus, nascida em 1852, faleceu em 25 de julho de 1943 e casou-se na Fazenda Paciência – Vila de Angustura, no dia 17 de julho de 1875 com o Capitão Pedro de Oliveira Senra, proprietário da sesmaria São Pedro e herdou a Fazenda Terra Corrida, filho de Manoel de Oliveira Senra e Maria Luiza de Jesus, proprietários da Fazenda Vargem Grande do Rio Angu – em Monte Verde;
••• José Carlos Ferreira, nasceu em 1853, era proprietário da Fazenda do Buraco Quente – na Terra Corrida, em Santo Antônio do Aventureiro e casou-se em 25 de maio de 1872, às 2 horas da tarde, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com Anna Joaquina de Cerqueira Leite, nascida em Santo Antônio do Aventureiro e faleceu na Fazenda da Cachoeira em 28 de setembro de 1901 e era filha de José Francisco de Cerqueira leite e Maria Joaquina de Cerqueira;
••• Carlotta Carolina de Jesus, nascida no ano de 1855 e faleceu no ano de 1886 – com apenas vinte cinco anos de idade de “Hemorragia post partum”. Casou-se na Fazenda Boa Vista, no dia 21 de outubro de 1870, com o primo de sua mãe Carlos Alves Garcia, fazendeiro em Santo Antônio do Aventureiro, era filho de Manoel Alves Garcia e de sua tia-avó Bernardina Carolina de Jesus.;

•• Romualdo Martins do Couto, natural de Barbacena, foi fazendeiro na Vila de Angustura, foi casado com Thereza Maria Duarte e seus filhos foram:
••• Romualdo Martins do Couto Filho, nascido em 1873, casado com Maria do Carmo do Couto;
••• Antônio Romualdo Martins do Couto;
••• José Romualdo Martins do Couto, casou-se no dia 24 de janeiro de 1880, com a prima Thereza Camilla de Jesus, filha de seu tio Rodolpho Martins do Couto e Camilla Carolina de Jesus;
••• Francisco Romualdo Martins do Couto, casado com Rita Martins do Couto;
••• Maria Thereza Duarte, casada com Francisco de Paula Rezende;
••• Mariana Thereza Duarte, casada com Theodolino Gonçalves de Rezende;
••• Joaquim Romualdo Martins do Couto;
••• Constança Thereza Duarte, casada com o primo Camillo Martins do Couto, filho de seu tio Rodolpho Martins do Couto e Camilla Alves Garcia; e
••• Bernardina Thereza Duarte, casada com Dominciniano Alves Garcia.;

No centro, Thereza Maria Duarte - esposa de Romualdo Martins do Couto

•• Custódio Martins do Couto, natural de Barbacena, fazendeiro em Santo Antônio do Aventureiro e casado com a prima Maria Thereza do Carmo, filha de seu tio Julio Aureliano Couto e Anna Cândida da Costa - proprietários da Fazenda do Monteiro e tiveram os seguintes filhos:
••• Apolinário Martins do Couto, faleceu com vinte dias de nascido, em 3 de agosto de 1886;
••• Anna Martins do Couto;
••• Thereza Martins do Couto;
••• Júlia Martins do Couto;
••• Felisbina Martins do Couto; e
••• Francisca Martins do Couto.;

•• Maria Guilhermina de Jesus, casada com João Pacheco Louro – fazendeiro em São João Nepomuceno;

•• Rodolpho Martins do Couto, fazendeiro em São José de Além Paraíba, foi casado em primeiro matrimônio com a prima Camilla Carolina de Jesus, nascida em 1852 e falecida em 29 de setembro de 1887, em Santo Antônio do Aventureiro, era filha de Manoel Alves Garcia e sua tia Bernardina Carolina de Jesus e casou-se em segundo matrimônio com Auta Augusta de Souza Guerra.
Filhos do primeiro matrimônio:
••• Camilla Carolina de Jesus, casada com o primo Francisco Mendes Ferreira, filha de Francisco de Souza e Silva e de sua tia Carlotta Maria de Jesus;
••• Filomena Carolina de Jesus, casada com o primo Alfredo Martins Ferreira, filho de João Ferreira Martins e de sua tia Francisca Alves Garcia;
••• Camillo Martins do Couto, casado com a prima Constança Duarte, filha de seu tio Romualdo Martins do Couto e Thereza Maria Duarte;
••• Thereza Carolina de Jesus, casou-se no dia 24 de janeiro de 1880, com seu primo José Rodolpho Martins do Couto;
••• Luiza Carolina de Jesus, nascida em 1872; e
••• Josephina Carolina de Jesus.
Filha do segundo matrimônio:
••• Maria Victória de Jesus, nascida em 1887 e casou-se no dia 18 de janeiro de 1902 – em Santo Antônio do Aventureiro, com o industrial italiano Affonso Sálvio, que nasceu em 1880, filho de Miguel Sálvio e Rosa Tepedino, que construiu um palacete na Vila Laroca, em São José de Além Paraíba e batizou com o nome de “Vila Maria Victória”.;
••• Francisca Carolina de Jesus, casada com Silvério Augusto de Mello – fazendeiro em Santa Bárbara do Tugúrio;
Fazenda da Reforma - pertenceu a Maria Victória, filha de Rodolpho Martins do Couto
Maria Victória Martins Sálvio e família

•• Carlotta Maria de Jesus, casada com Francisco de Souza e Silva, fazendeiro e comerciante na Vila de Angustura, seus filhos assinavam o sobrenome Mendes Ferreira e um de seus filhos foi:
••• Francisco Mendes Ferreira, casado com a prima Camilla Carolina de Jesus, filha do tio Rodolpho Martins do Couto e Camilla Alves Garcia.;

•• Maximiniana Carolina de Jesus, casada com Theobaldo José de Mello;

•• Lino Martins do Couto, casado com Maria Salomé Leite Menezes;

•• Coronel Francisco Martins do Couto, batizado em São José de Além Paraíba em 26 de maio de 1846, casado com a prima Anna Cândida da Costa Couto -Donana - filha de seu tio Júlio Aureliano Couto e Anna Cândida da Costa e seus filhos foram:
••• Maria Natalina Martins Fortes – Sinhá, casada com o comerciante libanês, Capitão Jorge José Fortes;
••• Eduardo Martins do Couto, fazendeiro no Município de Resplendor – no Vale do Rio Doce;
••• Simplício Martins do Couto, fazendeiro em Benjamim Constant;
••• Laudelina Martins da Costa, nascida em 1873, casada com Agilberto Costa, fazendeiro em Santo Antônio do Paraibuna – Juiz de Fora; e
••• Bernardina Martins Coutinho, casada com o Coronel Rufino Coutinho – fazendeiro em Penha Longa;
••• Clara Martins do Couto, nascida em 1875.;

•• Firmina Maria de Jesus, casada em primeiro matrimônio, na Fazenda da Conceição, no dia 7 de setembro de 1869, com o primo José Aureliano Couto, filho de seu tio Júlio Aureliano Couto e Anna Cândida da Costa, e em segundo matrimônio com Genário Inácio da Silva.
Filhos do primeiro matrimônio:
••• Emiliana Martins do Couto, nascida em 1870, foi casada com Antônio José Fernandes e tiveram os filhos: Alfredo Martins Fernandes, casado com Virginia; Rosa Martins Fernandes; Agnelo Martins Fernandes; e Sophia Fernandes Gama.
••• José Aureliano Martins do Couto, nascido no ano de 1872;
Filha do segundo matrimônio:
••• Nelsina Couto Cacciatore, foi casada com o italiano Luiz Cacciatore.

Após o falecimento de sua esposa Maria Victória de Jesus, na Fazenda da Conceição do Paraiso, no dia 23 de junho de 1873, o pioneiro Antônio Martins Couto, casou-se em Santo Antônio do Aventureiro, no dia 9 de novembro de 1879, com Adelaide Augusta de Oliveira, filha de João Lopes de Oliveira e Francisca Vindelina dos Santos, em 1884 separou-se e sua esposa foi morar na cidade do Rio de Janeiro.
De seu segundo matrimônio tiveram os filhos:

•• Maria Augusta de Oliveira Couto, nasceu em 28 de fevereiro de 1875, em Santo Antônio do Aventureiro;

•• Antônio Martins do Couto, batizado em 18 de dezembro de 1886.