quarta-feira, 31 de agosto de 2011

FAMÍLIA PEREIRA DE JESUS EM MINAS GERAIS

Por Mauro Luiz Senra Fernandes





Brasão da Família Pereira

Cel. José Pereira de Jesus e família na Fazenda do Oriente - propriedade de seu genro Cap. Severino de Rezende

A família Pereira de Jesus inicia-se com a chegada do imigrante português José Pereira de Jesus, que nasceu no dia 30 de Agosto de 1828, na cidade de Espinho, em Portugal e era filho de Manoel Pereira de Jesus e Dona Anna Alves dos Reis.
Veio para o Brasil no ano de 1851, onde ficou quatro anos. Voltando para sua "Terra Natal", lá ficou dois anos, regressando em 1857 para o Rio de Janeiro, onde residiu perto de sete anos.
Dizem que neste período de sete anos que ficou no Rio de Janeiro, trabalhava no Porto do Rio de Janeiro, onde conheceu Dom Pedro II, que lhe perguntou se estava tudo bem com ele, então ele respondeu: "que não havia saído de Portugal para varrer o Brasil". Dom Pedro gostou tanto de sua resposta, que lhe ofereceu um trabalho em Rancharia, São Pedro de Alcântara - Simão Pereira, para trabalhar numa empresa que administrava compra e venda de fazendas.
Em 1864, transferiu-se para São Pedro de Alcântara, Distrito de Juiz de Fora e em 04 de agosto de 1865, casou-se com Dona Ambrozina Francisca d'Azevedo Pereira, filha de José Martins d'Azevedo e Dona Senhorsinha Laura d'Azevedo.

Vila de Thebas - Leopoldina, MG

José Pereira de Jesus transferiu-se para Thebas, Distrito de Leopoldina, Minas Gerais, em 1876 e adquiriu a Fazenda de Santa Tereza e faleceu no dia 22 de abril de 1924 com noventa e seis anos de idade.
José Pereira de Jesus e Dona Ambrozina Francisca d'Azevedo Pereira tiveram os seguintes filhos:

Maria Pereira de Jesus, nascida em 05 de Agosto de 1866;

Cristina Pereira de Rezende, nascida em 25 de outubro de 1868, casou-se com o Cap. Severino Teixeira de Rezende (Cap. Verino), em 02 de agosto de 1890 e tiveram os filhos:
•• José Pereira de Rezende (Juquinha).
•• Ambrozina Pereira de Rezende (Petita).
•• Severino Pereira de Rezende (Severinho).

Cel. José Pereira de Jesus Filho (Cel. Zeca Pereira), nascido em 06 de dezembro de 1870, casou-se com Dona Olivia Tavares Pereira, em 24 de setembro de 1903 e tiveram os filhos:
•• Benício Tavares Pereira.
•• Maria Pereira de Castro, casada com Guilherme Brito de Castro e tiveram os filhos: Américo, Guilherme, Neide Maria , Maria Aparecida , José, Sebastião, Maria da Glória, Maria Helena, e Sônia Lúcia.
•• Edson Tavares Pereira.
•• Irmã Durvalina Tavares Pereira.
•• José Tavares Pereira (Zequinha).
•• Ambrozina Pereira Mendes (Zinica), casada com Josephino Mendes.
•• Cristóvão Tavares Pereira.
•• Américo Tavares Pereira.
••Fábio Tavares Pereira.

Maria José Pereira de Jesus, nascida em 22 de maio de 1872, casou-se com José Eugênio de Faria

Cel. Antônio Pereira de Jesus ( Cel. Tonico Pereira), nascido em 13 de agosto de 1874, casou-se com Dona Bernardina do Carmo de Aguiar Pereira, filha do Cap. Prudente José Teixeira de Aguiar e Dona Quirina Fortunata do Carmo de Aguiar, no dia 24 de junho de 1899 e tiveram os filhos:
•• Ambrozina (Zina) Pereira Tavares
•• Prudente de Aguiar Pereira
•• Quirina do Carmo Pereira de Oliveira
•• Olga do Carmo Pereira Senra
•• Edina do Carmo Pereira Ribeiro
•• Antôno de Aguiar Pereira
•• Edith do Carmo Pereira de Araújo
•• Eloina Pereira Faria
•• Eulina Saboya Ribeiro
•• José de Aguiar Pereira
•• Ed de Aguiar Pereira
•• Pe. Ruy do Carmo Pereira de Aguiar
•• Maria da Gloria Pereira Otto (Glorinha)

Orozimbo Pereira de Jesus, nascido em 30 de setembro de 1876, casou-se com Dona Mercedes Pessoa Netto, no dia 10 de Agosto de 1911;

Francisca Pereira de Amorim, nascido em 30 setembro de 1876, casou-se com o primo Manoel Pereira de Amorim;

Manoel Pereira de Jesus, nascido em 27 de maio de 1880, casou-se com Dona Theonilia Tavares Pinheiro;

Anna Pereira de Rezende (Naninha), nascida em 24 de julho de 1883, casou-se com Álvaro Meirelles Rezende, no dia 02 de abril de 1910;


Octávio Pereira de Jesus, nascido em 11 de novembro de 1886, casou-se com Dona Maria Barbosa Pereira, no dia 28 de setembro de 1910;

Ambrozina Pereira de Jesus, nascida em 10 de novembro de 1887 e faleceu em 07 de março de 1902;

Luiza Augusta Pereira de Carvalho, nascida em 28 de março de 1900, casou-se com Manoel Carlos de Carvalho (Nhonho), no dia 06 de janeiro de 1912.



Jazigo da família de José Pereira de Jesus, no Distrito de Thebas – Leopoldina, MG, a imagem de Nossa Senhora da Conceição foi roubada por ladrões de imagens de cemitérios.


CORONEL ANTÔNIO PEREIRA DE JESUS

Fazenda do Pouso Alegre - Angustura, pertenceu ao Cel. Antônio Pereira de Jesus
Cel. Antônio Pereira de Jesus e sua esposa Bernardina do Carmo de Aguiar Pereira

Cel. Antônio Pereira de Jesus, nasceu em 13 de agosto de 1874, em São Pedro de Alcântara (Simão Pereira), Distrito de Juiz de Fora, Minas Gerais.
Era filho do português José Pereira de Jesus e Dona Ambrozina Francisca d'Azevedo Pereira, neto paterno de Manoel Pereira de Jesus e Dona Anna Alves dos Reis e neto materno de José Martins d'Azevedo e Dona Senhorsinha Laura d'Azevedo.
Com dois anos de idade, seus pais mudaram para Vila de Thebas, Distrito de Leopoldina, onde adquiriu a Fazenda Santa Tereza e em 04 de agosto de 1865, casou-se em primeiro matrimônio com Dona Bernardina do Carmo de Aguiar, na Fazenda da Aliança, em Porto de Santo Antônio, Distrito de Cataguases, nascida em 20 de maio de 1883 em Santo Antônio do Aventureiro e faleceu em 05 de outubro de 1924, na Vila de Tombos, filha do Cap. Prudente José Teixeira de Aguiar e de Dona Quirina Fortunata do Carmo de Aguiar, neta paterna de José Teixeira de Aguiar e Dona Francisca Luiza de Jesus, neta materna do Cel. Fortunato de Morais Sarmento e Dona Maria do Carmo Nascimento Sarmento.
Cel. Antônio Pereira de Jesus, foi proprietário de várias fazendas de café, como: Fazenda do Pouso Alegre, Fazenda da Balança- na Vila de Angustura, transferiu-se para Tombos do Carangola, onde se tornou Vice-Presidente Câmara Municipal em seu primeiro governo emancipado e adquiriu a Fazenda do Batatal e depois a Fazenda da Boa Vista, em Divino do Carangola, Minas Gerais.

Fazenda do Batatal - Tombos MG

Fazenda Boa Vista

Deste primeiro matrimônio tiveram os filhos:

Maria da Conceição de Aguiar Pereira, faleceu ainda criança

Prudente de Aguiar Pereira, casou-se com Dona Maria Helena Gonçalves e seus filhos:
•• Guiomar Gonçalves Pereira
•• Juarez Gonçalves Pereira
•• Maria Helena Gonçalves Pereira

Ambrozina Pereira da Silva (Zina), casou-se com Joaquim Tavares da Silvae seus filhos:
•• Cid Pereira da Silva
•• Celina Pereira da Silva
•• Jaime Pereira da Silva
•• Omar Pereira da Silva
•• Aparecida Pereira da Silva
•• Mércia Pereira da Silva
•• Silmar Pereira da Silva
•• Wilmar Pereira da Silva
•• Antônio Pereira da Silva
•• Bernardina Pereira da Silva

Quirina do Carmo Pereira de Oliveira, casou-se com Itamar Alves de Oliveira e seus filhos:
•• Itamar Pereira de Oliveira
•• Ilmar Pereira de Oliveira
•• José Maria Pereira de Oliveira
Olga do Carmo Pereira Senra, casou-se com Raul Ferreira Senra e seus filhos:
•• Maria Celeste Senra Itaboraí
•• Bernardina Senra Fernandes
•• Ubirajara Pereira Senra (faleceu criança)
•• Haroldo Pereira Senra
•• Maria Therezinha Senra Castro
•• Hélio Pereira Senra (faleceu criança)
•• Paulo Pereira Senra
•• Maria do Carmo Senra Coutinho
•• Maria de Lourdes Senra Santos
•• Maria Helena Senra da Rocha
•• Marly Vieira

Edina do Carmo Pereira Ribeiro, casou-se com Carmindo Ribeiro e seus filhos:
•• Alice Bernardina Ribeiro Marques
•• Berenice Pereira Ribeiro Bouhid
•• Carmindo Pereira Ribeiro
•• Déia Ribeiro Monerat
•• Cleuza Pereira Ribeiro
•• Edna Ribeiro Medeiros
•• Marcos Pereira Ribeiro
•• Neide Pereira Ribeiro
•• Roberto Pereira Ribeiro
•• Maria das Graças Pereira Ribeiro

Antônio de Aguiar Pereira, casou-se com Dalva Levi Pereira e seu filho:
•• Jorge Levi Pereira

Edith do Carmo Pereira de Araújo, casou-se com Silvio Vilhena Fabiano de Araújo e seus filhos:
•• Sérgio Pereira de Araújo,
•• Marco Antônio Pereira de Araújo

Eulina Saboya Ribeiro, casou-se com o arquiteto e urbanista cearense José Octacílio de Saboya Ribeiro, responsável pelos projetos de urbanização dos bairros do Recreio dos Bandeirantes e parte do Leblon e Jardim Botânico, no Rio de Janeiro e seus filhos:
•• Roberta de Saboya Ribeiro
•• Leonardo Augusto de Saboya Ribeiro
•• Heloisa Maria Saboya Ribeiro
•• José Octacílio Saboya Ribeiro Filho
•• Ricardo Saboya Ribeiro
•• Eduardo Saboya Ribeiro
•• Rubens Saboya Ribeiro
•• Flávio Cristiano Saboya Ribeiro

Eloina Pereira de Faria, casou-se com Orsino Faria e suas filhas:
•• Elizabeth Pereira de Faria
•• Maria Lúcia Pereira de Faria

José de Aguiar Pereira, casou-se em primeiro matrimônio com Dora Pereira e em segundo matrimônio com Esperança Pereira, filhos do primeiro matrimônio:
•• Yara Periera
•• Yberê Pereira

Ed do Carmo de Aguiar Pereira, casou-se com Florita Frescari Pereira e em segundo matrimônio com Olga Pereira, filho do primeiro matrimônio:
•• Márcio Ed Frescari Pereira
filhos do segundo matrimônio:
•• Márcia Pereira
•• Sílvia Pereira
•• Marcos Ed Pereira

Pe. Ruy do Carmo Pereira de Aguiar

Maria da Glória Pereira Otto, casou-se com Alfredo Andrès Otto, seus filhos:
•• Norma Célia Otto Tanury
•• Glória Otto Springer
•• Carlos Andrès Otto

O Cel. Antônio Pereira de Jesus, após o falecimento de sua primeira esposa, casou-se com Dona Guiomar Pimenta Pereira e teve um filho:

Fernando Pimenta Pereira, seu filho:
•• Caio Pereira.

O Cel. Antônio Pereira de Jesus, faleceu na cidade de Além Paraíba no dia 19 de outubro de 1959 e foi sepultado na cidade de Tombos, MG.

Posse do primeiro governo emanciapado de Tombos, MG, onde o Cel. Manoel Martins Quintão era o Presidente e o Cel. Antônio Pereira de Jesus era o Vice-Presidente.

Cel. Manoel da Silveira Brum Júnior, Cel. Antônio Pereira de Jesus e Cel. Manoel Martins Quintão - Tombos, MG

Prudente, Quirina, Olga, Zina e Edina, Fazenda do Batatal -Tombos MG
Carmindo Ribeiro, Edina do Carmo Pereira Ribeiro, Edith do Carmo de Aguiar Pereira e Joaquim Tavares da Silva
Edith, Glorinha e Eulina
Bodas do segundo matrimônio do Cel. Antônio Pereira de Jesus e Guiomar Pimenta Pereira - Rio de Janeiro RJ



Aniversário do Cel. Antônio Pereira de Jesus, 1959, Ilha Recreio - Além Paraíba, MG

terça-feira, 30 de agosto de 2011

DOMINGOS MÁRIO GALHARDO

Por Mauro Luiz Senra Fernandes

Brasão da Família Galhardo





“Na roça vivia-se a vida, tudo era belo, tudo era verde e silêncio, tudo era puro como o ar que respirava. Acho que aquele que não conhece a vida na roça não viveu; quem não viu uma lavoura de café florida em setembro, quem não viu a lua cheia apontando no alto da mata virgem, envolvida em cerração rala entre os enormes galhos das árvores seculares, espalhando o luar pelos morros; quem não ouviu o grito da coruja nessa hora, o trilhar dos grilos, o sibilar da jaracuçu, o roncar dos porcos na ceva, um vulto de ave no céu; os vagalumes de luz fixa e os pisca-piscas, no alto dos morros e lá no brejo; um relinchar de um cavalo; quem não viu então um terreiro de pedras iluminado pelo luar...” (Luiz Rosseau Botelho)
Esse texto que Luizinho Botelho, afetivo escritor alemparaibano, escreveu em seu livro “Dos 8 aos 80”, se confunde com a vida de Domingos Mário Galhardo, o “Seu Mingote”, um filho de imigrantes italianos que trabalhou de sol a sol, foi tropeiro, boiadeiro e chegou a ser um respeitável fazendeiro no município de Além Paraíba, onde constituiu numerosa família.
Nascido na centenária Vila de Angustura no dia 29 de dezembro de 1883, “Seu Mingote” era filho de José Luciano Galhardo e Philomena Paraíso Galhardo. Seus irmãos foram: Otílio, Caetano (Taninho), Victor Galhardo e Maria Galhardo de Luca (Petita). Foi proprietário de duas fazendas no município alemparaibano, a “do Egito”, onde viveu a maior parte de sua vida (fica na subida do Morro do Boiadeiro e hoje é dividida em vários pequenos sítios), e a “Fazendinha”, que ficava pelos lados da Vila Caxias.
“Seu Mingote” era um homem da lavoura e da pecuária. De princípios morais inabaláveis, sua grande referência, foi um pai afetivo, estendendo esse afeto para seus netos e amigos – era um grande patriarca. Casou-se em 1904, na Vila de Angustura, sua terra natal, com Cecília de Araújo Galhardo, a “Dona Tita”, filha de Sertório Araújo e Dona Paula Dutra de Araújo, e da união nasceram onze filhos: Mario José, José Mário (Juca), Manoel (Neca), Itamar, Ary, Sebastião (Barão), Wander (Lei), Edelvira, Zilah, Maria Eunice (Cotinha) e Anna (Doninha). “Seu Mingote” faleceu no dia 30 de junho de 1958, em sua residência na Vila Laroca. Sua esposa Dona Cecília faleceu no dia 30 de maio de 1961.



Dona Paula Dutra de Araújo esposa de Sertório Araújo



Edelvira Galhardo Zanconato, seu esposo Humberto Zanconato e o seu filho Mario Roberto Galhardo Zanconato

Philomena Paraíso Galhardo esposa de José Luciano Galhardo

CAPITÃO VICTOR HERNIQUE GALHARDO

Capitão Victor Henrique Galhardo e Maria Laudelina Cerqueira Galhardo com o neto Vitor Angelo

Victor Henrique Galhardo nasceu na histórica Vila de Angustura em 25 de março de 1881. Filho de José Luciano Galhardo (originalmente Gagliardi) e Philomena Paraíso Galhardo, humildes imigrantes italianos estabelecidos naquele lugarejo.
Vitor Henrique tornou-se um dos fazendeiros mais prósperos da região, tendo possuído 18 propriedades ao longo de sua vida, sendo que 10 destas propriedades durante o mesmo tempo. Dentre outras, podemos apurar: Fazenda Vargem Grande(Angustura), Fazenda Cafelândia(Marinópolis), Fazenda Palmital(Gauchão), Fazenda Paraíso(Sapucaia), Fazenda da Serra(Vila Caxias), Granja 3 de Outubro, Chácara na Praça da Bandeira, Chácara em Copacabana, Sítio na Parada Breves etc.
O nome do Capitão Victor Henrique Galhardo tornou-se respeitado em todas as direções. Constituindo matrimônio com Maria Laudelina Cerqueira Galhardo (Dona Mariquinha), tiveram uma numerosa prole: José Luciano Galhardo casado com Hilda Toledo (filha do Cel. José Toledo), Maria Emília Galhardo de Castro casada com Luiz Gonzaga Rezende Monteiro de Castro (Neto do Barão do Retiro), Antônio Alberto Cerqueira Galhardo casado com Magdalena Gobbi, Laerte Cerqueira Galhardo casado com Horaida Santos, Letícia Galhardo Melo casada com Sinval Melo, Abigail Galhardo Marques casada com José Pimenta Marques (Proprietário da antiga empresa de ônibus de Além Paraíba), Venina Galhardo Melo casada com Sindorval Melo, Sílvio Cerqueira Galhardo casado com Elmira Taranto Galhardo (Miruxa) e Jaime Cerqueira Galhardo casado com Aparecida Carluccio Galhardo.
Um fato curioso é que dos dez filhos, nove homenagearam seu primeiro filho homem com o nome de Victor. Sendo estes: Victor Luiz, Victor José (2), Victor João, Victor Jorge, Victor Henrique, Victor Alexandre, Victor Artur, e Victor Ângelo.
O Capitão Victor Galhardo foi, ainda, um dos fundadores do Rex Club e incentivador da criação do Lactário São José. Ajudou na construção do Parque de Exposição de Além Paraíba, tendo seu nome perpetuado em um dos pavilhões. Na Praça da Bandeira existia uma placa com os dizeres: “Essa Praça foi construída com a ajuda do laborioso povo alemparaibano, em especial do Capitão Victor Henrique Galhardo.”
Victor faleceu em sua chácara na Praça da Bandeira, em 26 de outubro de 1968 e Maria Laudelina faleceu em 1973. Hoje os dois emprestam seus nomes à ruas daquele bairro.

domingo, 28 de agosto de 2011

ORIGEM DA FAMÍLIA OLIVEIRA SENRA

Por Mauro Luiz Senra Fernandes




 
A família de Oliveira Senra se une inicialmente com as famílias Ferreira da Fonseca, Martins do Couto e Alves Garcia, com os casamentos dos irmãos Capitão José de Oliveira Senra e o Capitão Pedro de Oliveira Senra, ambos os filhos do proprietário rural, Manoel de Oliveira Senra, proprietário da Fazenda Vargem Grande do Rio Angu – em Monte Verde e de Maria Luiza de Jesus.

O Capitão José de Oliveira Senra – Zeca Senra, nasceu em 19 de março de 1853, faleceu em 30 de junho de 1931, em Santo Antônio do Aventureiro e foi casado com Luiza Alves Garcia, filha de Manoel Alves Garcia e Bernardina Carolina de Jesus – da família Ferreira da Fonseca.

O Capitão Pedro de Oliveira Senra Sobrinho, nasceu em 29 de agosto de 1855, na Fazenda Vargem Grande do Rio Angu, faleceu em 11 de junho de 1939, na Vila de Simplício, sepultado em Santo Antônio do Aventureiro e foi casado com Maria Carolina de Jesus, filha de Carlos José Ferreira e Carolina Maria de Jesus – da família Martins do Couto e Ferreira da Fonseca.

ORIGEM DA FAMÍLIA OLIVEIRA SENRA

A origem mais remota da Família Senra se localiza na região de Navarra, ao nordeste da Espanha, que tem à sua esquerda as regiões de La Rioja e a do País Basco; à extrema direita, a Catalunha, e, ao norte a fronteira com a França – Gascogne e o maciço Pirineus.

Por volta do século dezesseis, vários integrantes da família deslocaram-se para o norte de Portugal, fixando-se, em sua maioria, na cidade de Braga e arredores e imigrou-se para o Brasil – na Província mineira setecentista.

Os Oliveira Senra, tem origem em Braga, Freguesia da Vila de Povoa de Varzim, em Portugal, Domingos Manoel Senra, o Novo nasceu em Póvoa de Varzim, Vila Velha - Portugal e morreu em 18 de novembro de, 1770. Casou-se em primeiro matrimônio em 5 de maio de 1727 com Isabel de Oliveira, natural de São Pedro de Meixinhos, Arcebispado de Braga, era filha de João de Oliveira e Ângela Pereira, formando então - a Família Oliveira Senra.

Casou-se em segundo matrimônio em 30 de janeiro de 1746, em Barcelos, com Maria Josepha, filha de António Pereira e Domingas Gomes.

Filhos de Domingos Manuel Senra, o Novo e Isabel de Oliveira:
•  Guarda- Mor Manoel de Oliveira Senra nasceu a 24 de novembro de 1728 em Póvoa de Varzim e se casou com Jacintha Umbelina Gouveia;
•  Maria de Oliveira nasceu em 22 de janeiro de 1731 em Póvoa de Varzim e se casou com Manoel Rodrigues;
•  Ana Maria de Oliveira nasceu em 5 de abril de 1733 em Póvoa de Varzim e faleceu em 11 de janeiro de 1761 e se casou com Damião Gonçalves Bravo;
João de Oliveira Senra nasceu em 9 de fevereiro de 1735 em Póvoa de Varzim e se   casou com Maria Teresa Cabral e Silva, filha do Tenente Antônio Gonçalves da Silva e Anna Florência da Purificação;
Rosa Maria do Sacramento nasceu em 31 de janeiro de 1737 em Póvoa de Varzim;
  José de Oliveira Senra nasceu a 22 de maio, 1739 em Póvoa de Varzim;
  José de Oliveira Senra nasceu em 21 de julho de 1740 em Póvoa de Varzim;
   Joana de Oliveira nasceu a 24 de fevereiro de 1742 em Póvoa de Varzim;
Francisco de Oliveira Senra, era negociante de pescado. Nasceu em 2 de setembro de 1745 em Póvoa de Varzim e faleceu em 9 de agosto de 1825 em Póvoa de Varzim. Casou-se em primeiro matrimônio com Maria Antônia Moreira filha de João Francisco Moreira e Ana Antônia e em segundo matrimônio com Margarida Luísa, filha de Melchior de Sousa e Mônica Maria.

Filhos de Domingos Manuel Senra, o Novo e Maria Josepha:  
 •  Domingos José Senra nasceu em 25 de agosto de 1746 em Póvoa de Varzim, se casou com Rosa Maria do Rego, filha de António Francisco do Rego e Maria do Rego; 
 António José Senra nasceu em 20 de dezembro de 1748 em Barcelos – Portugal e faleceu em 22 de junho de 1835 e se casou com Maria Teresa da Fonseca em 17 de outubro de 1773 em Barcelos, filha de Bento da Fonseca e Tereza da Silva;
Maria de Oliveira nasceu em 8 de março de 1752 em Barcelos;
• Teresa de Oliveira nasceu em 8 de julho de 1755 em Barcelos. 

No Brasil:
Com o fim do ouro em Piranga, na Zona da Mineração, em 5 de dezembro de 1797, o Tenente João de Oliveira Senra recebeu uma sesmaria para povoar as cabeceiras do Rio Pomba, em São Januário de Ubá, na Zona da Mata Mineira. 

João de Oliveira Senra , sesmeiro muito conhecido. Uma irmã de Cecília Bernarda Rosa – esposa de Custódio Martins da Costa, de Calambau, Maria Tereza, casou-se com ele. Assim sendo, tornou-se tio por afinidade de Antônio Januário Carneiro, Capitão-mor, residente em Guarapiranga – fundador de São Januário de Ubá. 
Maria Tereza Cabral e Silva – descendentes de bandeirantes paulistas, nascida e batizada na Freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Bispado de Mariana. Era filha do Tenente Antônio Gonçalves da Silva, natural da Freguesia de São Mateus de Grimacelos, Arcebispado de Braga, Portugal, e de Anna Florência da Purificação, natural do Bispado de Mariana, Minas Gerais.

Tiveram os filhos:
•• Padre João de Oliveira Senra, que nasceu em Piranga e ordenou-se em 1818 – conforme cita de Genere e Moribus – Processo 716, Armário 13, Cúria de Mariana;
•• Francisca Cândida de Oliveira Senra, que se casou em 1806, com o Alferes Antônio Liberato Carneiro de Miranda, deixando numerosa descendência;
•• Maria Ritta de Oliveira Senra, casada com Brás de Araújo Quintão.

Na Freguesia de Guarapiranga, o Guarda-mor Manoel de Oliveira Senra, filho de Domingos Manoel Senra, natural de Povoa de Varzim e Izabel de Oliveira, natural de São Pedro de Meixinhos, Arcebispado Braga, era casado com Jacintha Umbelina Gouveia e entre seus filhos:
•• Tenente Silvério de Oliveira Senra, nasceu em Guarapiranga, tornou-se fazendeiro na região do Rio Cágado, era casado com Ignês Euphrasia de Sá e alguns de seus filhos foram:
••• Ritta de Olineira Senra;
••• Carolina Leopoldina de Oliveira Senra, casada com José Figueira Dornellas;
••• Silvério de Oliveira Senra;
••• Carolina de Oliveira Senra;
••• Francisca de Oliveira Senra;
••• Pedro de Oliveira Senra; e
••• Joaquim de Oliveira Senra.

•• Alferes Antônio de Oliveira Senra, nasceu em 8 de abril de 1793 e batizado em 19 de abril do mesmo ano em Guarapiranga. Casou-se em 1831, na Matriz de Cantagalo com Carlotta Justiniana de Gouveia, natural de Guarapiranga e filha do Alferes José Coelho de Magalhães e Anna Francisca da Silva Magalhães;

•• Tenente Coronel Manoel de Oliveira Senra, natural da Freguesia de Guarapiranga, foi fundador da Fazenda Vargem Grande do Rio Angu, em São Sebastião do Monte Verde – atual Município de Senador Côrtes e faleceu em 5 de junho de 1874. Foi casado em primeiro matrimônio, com Leocádia Cândida de Jesus e em segundo matrimônio, com Maria Luiza de Jesus.

No Município de Juiz de Fora, registra-se a família de Caetano José Medeiros Senra e sua esposa Maria Luciana Moreira Senra, ambos portugueses, vieram para o Brasil no final do século XVIII, onde eram proprietários de uma fazenda que se tornou famosa: Fazenda Graminha, que fica no caminho de São Januário de Ubá e provavelmente eram parentes dos irmãos pioneiros, o Tenente João de Oliveira Senra, o Tenente Silvério de Oliveira Senra e Manoel de Oliviera Senra; ambos se estabeleceram numa mesma época e em lugares próximos.

Registra-se uma família Senra no Rio de Janeiro: Manoel Dias Senra, por volta de 1623, casou-se com Maria Nunes por volta de 1654.

TENENTE CORONEL MANOEL DE OLIVEIRA SENRA

O Tenente Coronel Manoel de Oliveira Senra, nasceu em Guarapiranga - provavelmente no fim de século dezoito, era filho do Guarda- Mor Manoel de Oliveira Senra Jacintha Umbelina de Gouveia, neto do português Domingos Manoel Senra e sua esposa Izabel de Oliveira e faleceu em 5 de junho de 1874, em São Sebastião do Monte Verde – Termo de Mar de Espanha, Província de Minas Gerais.

Foi fundador da Fazenda Vargem Grande do Rio Angu, em São Sebastião do Monte Verde – atual Município de Senador Côrtes.

Casou-se me primeiro matrimônio com Leocádia Cândida de Jesus e tiveram os seguintes filhos que viviam em Espírito Santo do Pomba:

Antônio de Oliveira Senra, casado com Joaquina Maria de Assumpção;
José de Oliveira Senra, casado com Maria Carolina de Jesus; e
Francisca Cândida de Oliveira, casada com Romualdo Fernandes de Souza.

Manoel de Oliveira Senra, foi casado em segundo matrimônio com Maria Luiza de Jesus – conhecida como “Vovó da Vargem Grande” e tiveram os seguintes filhos:


Tenente Coronel Joaquim de Oliveira Senra, nasceu em 1 de maio de 1833 e faleceu em 19 de novembro de 1893, na Fazenda Vargem Grande do Rio Angu, foi casado com Umbelina Alves de Oliveira e tiveram os seguintes filhos:
•• Dr. Alberto de Oliveira Senra, nasceu em 1859 em Monte Verde, fez curso de Humanidades no lendário Colégio Caraça, doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da Bahia em 1887, tendo feito extensão acadêmica em Viena e na França. Foi casado com Garcia Teixeira da Silva e faleceu na cidade de Campos de Goitacases em 1922.
Seus filhos foram:
••• Umbelina de Oliveira Senra
••• Bolívar de Oliveira Senra,
••• Edgard de Oliveira Senra,
••• Darcilia de Oliveira Senra,
••• Alberto de Oliveira Senra,
••• Yvone de Oliveira Senra,
••• Irene de Oliveira Senra,
••• Moacir de Oliveira Senra, nasceu em Campos de Goitacases em 28 de dezembro de 1916 e faleceu no Rio de Janeiro, em 13 de agosto de 1994. Foi casado com Lizette Barbosa de Castro Senra, tendo os seguintes filhos: Elizabeth Barbosa de Castro Senra, Marcia Barbosa de Castro Senra, Judith Barbosa de Castro Senra e Lincoln Barbosa de Castro Senra.;
•• Rachel Senra Filgueiras, casou-se em 15 de agosto de 1879, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com o primo Manoel Gonçalves Filgueiras Júnior, filho de Manoel Gonçalves Filgueiras e de sua tia Maria Jacintha de Oliveira;
•• Christiano de Oliveira Senra;
•• Leonor Senra Lima, casada com Manoel de Souza Lima Júnior;
•• Josephina de Oliveira Senra, nascida em 1865 e faleceu no dia 1 de novembro de 1889 – com apenas vinte quatro anos de idade.;

Alferes Manoel de Oliveira Senra Júnior, casado com Francisca Maria de Oliveira Furtado de e tiveram os filhos:
•• Amélia de Oliveira Senra, nascida em 1869 e faleceu em 20 de abril de 1870;
•• Silvério de Oliveira Senra Sobrinho, casou-se na Capela de Sarandy, no dia 2 de julho de 1883, com sua prima Maria Magdalena de Souza, filha de Torquato Matheus de Souza Guerra e de sua tia Amélia Augusta de Oliveira;
•• Albertina de Oliveira Senra, batizada no ano de 1872 – na Capela de Santo Antônio do Aventureiro;
•• Virgínia de Oliveira Senra, casada com Francisco Alves Moreira;
•• Júlia de Oliveira Senra, casada com Affonso Moreira;
•• Alexina de Oliveira Senra;
•• Manoel de Oliveira Senra Netto – “Gogosta” - nasceu em Santo Antônio do Aventureiro, em 24 de outubro de 1878 e foi batizado em 2 de dezembro do mesmo ano. Casou-se em 26 de novembro de 1900, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com a prima Cristiana de Oliveira Senra, filha de seu tio Capitão Pedro de Oliveira Senra Sobrinho e Maria Carolina de Jesus;

Silvério de Oliveira Senra, casou-se na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, no dia 18 de abril de 1874 com Maria Cacciana de Jesus, filha de João Antônio Pereira e Ritta Francisca de Jesus;

Anna Cândida de Oliveira, casada com Manoel José de Freitas;

Maria Jacintha de Oliveira Senra, nascida na Fazenda Vargem Grande do Rio Angu no ano de 1840 e faleceu em 2 de junho de 1868 – aos vinte oito anos de idade de “Hemorragia post partum”. Foi casada com Manoel Gonçalves Filgueiras, filho do sesmeiro Francisco Gonçalves Filgueiras e Leonor Maria de Jesus, que após o falecimento de sua esposa, casou-se em 19 de janeiro de 1870, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro com Isabel Gomes da Costa, filha de Manoel Gomes Jatay e Anna de Jesus.
Filhos de Maria Jacintha e Manoel Gonçalves Filgueiras:
•• Manoel Gonçalves Filgueiras Júnior, casou-se em 15 de agosto de 1879, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com a prima Rachel de Oliveira Senra, filha de seu tio Tenente Coronel Joaquim de Oliveira Senra;
•• Theophilo Gonçalves Filgueiras, nasceu em 1853 e faleceu de febre no dia 29 de novembro de 1881 – aos vinte nove anos de idade;
•• Maria Luiza Senra Filgueiras;
•• Emília Senra Filgueiras;
•• Balbina Senra Filgueiras;
•• Onofre Gonçalves Filgueiras;
•• Antônio Gonçalves Filgueiras
Filhos de Manoel Gonçalves Filgueiras e sua segunda esposa Isabel Gomes da Costa:
•• Adamastor, Alberto, Virgílio, Alfredo, Sophia, Corina, Ercília e Christiano Gonçalves Filgueiras.

Ritta Umbelina de Oliveira, casada com Francisco Furtado de Mendonça e tiveram os filhos:
•• Joaquim Furtado de Mendonça;
•• Francisco Furtado de Mendonça;
•• Leopoldo Furtado de Mendonça;
•• Amélia Furtado de Mendonça;
•• Olinária Furtado de Mendonça.;

Amélia Augusta de Oliveira, casada com Torquato Matheus de Souza Guerra – fazendeiro em Sarandy, e uma de suas filhas foi:
•• Maria Magdalena de Souza casou-se no dia 2 de julho de 1883, na Capela de Sarandy, com o primo Silvério de Oliveira Senra Sobrinho, filho de seu tio Alferes Manoel de Oliveira Senra Júnior e Francisca Maria de Oliveira Furtado;

Carlotta Justinianna de Oliveira, casada com Cândido Furtado de Souza;

João de Oliveira Senra, nasceu em 1841;

Capitão Antônio de Oliveira Senra, fazendeiro em Mar de Espanha, nasceu em 1852 e casou-se na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, no dia 14 de novembro de 1874 com Emília de Jesus, filha de Silvestre José Furtado e Maria Carolina do Nascimento e um de seus filhos:
•• Antônio de Oliveira Senra, casado com Maria Carolina de Souza;
•• Idalice de Oliveira Senra, nascida em 29 de julho de 1884 e casou-se com Silvino Antônio Martins, nasceu em 17 de fevereiro de 1881 – proprietário da Fazenda do Serrote, em Santo Antônio do Aventureiro e era filho de Sérgio A. Martins e Thereza M. da Costa.

Tiveram os seguintes filhos: Antônio Senra Martins,nascido em 1902, Aristides Senra Martins, nascido em 1905; Maria Senra Martins, nascida em 1907 e faleceu em 1962; Cezário Senra Martins, nasceu em 1909; Jair Senra Martins, nasceu em 1912 e faleceu em 1994; Sargento Orlando Senra Martins, nasceu em 1914 e faleceu em 1936; Otávio Senra Martins, nasceu em 1915; Rubens Senra Martins, nasceu em 1917 e foi casado com Maria Luiza Torres Martins; Emília Senra Martins, nasceu em 1919; Raul Senra Martins, nasceu em 1921 e faleceu em 1944; General Sinval Senra Martins, nasceu em 1923, casado com Maria Antonieta Tepedino Martins; Silvino Senra Martins, nesceu em 1925; Idalícia Senra Martins, nesceu em 1928; e Sérgio Senra Martins, faleceu  em 1903;


Capitão José de Oliveira Senra – “Zeca Senra” - nasceu em 19 de março de 1854 e faleceu em 30 de junho de 1931. Era proprietário da Fazenda Deus Proteja, em Santo Antônio do Aventureiro e casou-se em janeiro de 1875, com Maria Luiza de Jesus, filha do sesmeiro Manoel Alves Garcia – proprietário da Fazenda da Boa Vista e Bernardina Carolina de Jesus – da família Ferreira da Fonseca.
Seus filhos foram:
•• Eurico de Oliveira Senra, nasceu em 19 de março de 1889, batizado em 5 de maio de 1889 e casado com a prima Cora de Oliveira Senra, filha do Capitão Pedro de Oliveira Senra e Maria Carolina de Jesus – “Mariazinha Senra”;
•• Antônio de Oliveira Senra Sobrinho, casado com a prima Carolina de Oliveira Senra, filha do Capitão Pedro de Oliveira Senra e Maria Carolina de Jesus – Mariazinha Senra;
•• Angenor de Oliveira Senra;
•• Cornélio de Oliveira Senra, casado com Judith Maia Senra;
•• Marietta de Oliveira Senra, casada com o primo Manoel Alves Garcia, filho do tio Elias Alves Garcia e Mariana Costa;
•• Zulmira de Oliveira Senra, casada com o primo Nestor Ferreira Martins, filho de João Ferreira Martins e de sua tia Francisca Alves Garcia;
•• Maria de Oliveira Senra, casada com Rodrigo Carvalho;

Capitão Pedro de Oliveira Senra Sobrinho, nasceu na Fazenda Vargem Grande do Rio Angu, em 29 de agosto de 1855, foi proprietário rural na Terra Corrida, faleceu em 11 de junho de 1939, na Vila de Simplício e foi sepultado em Santo Antônio do Aventureiro.
Casou-se no Oratório da Fazenda Paciência, propriedade do padrasto da noiva – Capitão Vicente Mendes Ferreira na Vila de Angustura, no dia 17 de julho de 1875, com Maria Carolina de Jesus – Mariazinha, nascida em 2 de julho de 1852 e faleceu em 25 de julho de 1943, na Terra Corrida em Aventureiro, na casa de seu filho Joaquim de Oliveira Senra. Era filha de Carlos José Ferreira e Carolina Maria de Jesus, era neta paterna de José Ferreira Armond e Constancia Raimunda da Silva; e neta materna de Antônio Martins do Couto e Maria Victória de Jesus – da família Ferreira da Fonseca.
Capitão Pedro de Oliveira Senra Sobrinho, foi primeiro Juiz de Paz de Santo Antônio do Aventureiro, era proprietário da sesmaria de São Pedro, denominada de Fazenda São Pedro – na Terra Corrida.
De seu casamento tiveram os seguintes filhos:
•• Carlos de Oliveira Senra, nasceu em 1878, em Santo Antônio do Aventureiro e faleceu em 21 de abril de 1956, no Município de Além Paraíba. Foi casado em primeiro matrimônio com a prima Carolina Ferreira Senra, nascida em 1878, faleceu no dia 10 de novembro de 1920 de “Hemorragia post partum” e era filha de seu tio materno de José Carlos Ferreira e de Anna Joaquina de Cerqueira Leite. Foi casado em segundo matrimônio no dia 21 de abril de 1921, na Terra Corrida, na Fazenda São Pedro, com sua prima Anna Ferreira de Cerqueira – irmã de sua esposa Carolina, nascida em Santo Antônio do Aventureiro, no dia 12 de outubro de 1885 e casou-se em terceiro matrimônio com a viúva Maria José Dutra de Morais;
•• Josephina de Oliveira Senra – “Finoca” - casada com o primo Carlos Ferreira de Cerqueira, nascido em 1 de junho de 1874 e batizado em 15 de agosto do mesmo ano, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, filho de seu tio materno José Carlos Ferreira e de Anna Joaquina de Cerqueira Leite;
•• Pedro de Oliveira Senra Filho – “Pepedro” - nasceu em 1888 e faleceu em 16 de junho de 1961, casado com sua prima Maria Ferreira Senra, nascida em 1884, filha de seu tio materno José Carlos Ferreira e de Anna Joaquina de Cerqueira Leite;
•• Cora de Oliveira Senra, casada em 9 de novembro de 1912, na Capela de santo Antônio do Aventureiro, com o primo Eurico de Oliveira Senra, filho de seu tio paterno Capitão José de Oliveira Senra – Capitão Zeca Senra e da prima de sua mãe Luiza Alves Garcia;
•• Carolina de Oliveira Senra, casada com o primo Antônio de Oliveira Senra – “Totonho Senra” - filho do Capitão José de Oliveira Senra – “Capitão Zeca Senra” - e da prima de sua mãe Luiza Alves Garcia;
•• Cristiana de Oliveira Senra, casada em 26 de novembro de 1900, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com o primo Manoel de Oliveira Senra – “Gogosta” - filho de seu tio paterno Manoel de Oliveira Senra e de Francisca Furtado de Oliveira;
•• Maria Luiza de Oliveira Senra – “Mocinha” - casada com José de Castro – “Juca Guarany”;
•• Manoel de Oliveira Senra, casado com Marietta Brandão Senra, filha de Júlio Santos Brandão e Maria de Paula Brandão;
•• José de Oliveira Senra Sobrinho – “Juca Senra” - casado em primeiro matrimônio com Maria Dutra de Cerqueira, filha de Antônio Dutra de Morais e Guilhermina de Cerqueira Leite e, em segundo matrimônio, no dia 5 de maio de 1920, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com a viúva de seu irmão Marietta Brandão Senra;
•• Joaquim de Oliveira Senra – “Quinquim” - casado em 5 de maio de 1920, na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, com Julieta Brandão Senra, filha de Júlio Santos Brandão e Maria de Paula Brandão; e
•• Álvaro de Oliveira Senra, que nasceu em 26 de fevereiro de 1888, foi batizado em 11 de abril do mesmo ano e faleceu na infância.;

Maria do Carmo de Oliveira, nascida na Fazenda da Vargem Grande do Rio Angu, casou-se na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, no dia 1 de junho de 1871 com Silvestre Henrique Furtado, filho de Silvestre José Furtado e Maria Carolina do Nascimento – irmão de sua cunhada Emília de Jesus, e um de seus filhos foi:
•• Horácio de Oliveira Furtado, nasceu no ano de 1872;

Belizardo de Oliveira Senra, nascido na Fazenda Vargem Grande do Rio Angu, no ano de 1861 e casou-se na Capela de Santo Antônio do Aventureiro, no dia 17 de janeiro de 1883 com Liberalina Amélia de Freitas, filha de João Antônio da Silva e Rosa Maria Silveira.
De seu casamento tiveram os seguintes filhos:
•• Clovis de Oliveira Senra, casado com Anna Morais Senra, filha de Simplício Dutra de Morais e Guilhermina Ferreira de Cerqueira - neta paterna de Francisco de Oliveira Morais e Michelina Dutra de Morais, e neta materna de José Carlos Ferreira e Anna Joaquina de Cerqueira Leite;
•• Dunga;
•• Wantuil de Oliveira Senra, casado com Maria Luiza Senra;
•• Uberman de Oliveira Senra, casado com Mariquinha Senra;
•• Maria Luiza Senra da Silva - “Tóta”, casada com Mário Henrique da Silva;
•• Otaviano de Oliveira Senra;
•• Celina Senra Lima, casada com Nery de Souza Lima.

Filhos de Manoel de Oliveira Senra e Maria Luiza de Jesus
 










Tenente Coronel Joaquim de Oliveira Senra e sua esposa  Umbelina Alves de Oliveira



 
Alferes Manoel de Oliveira Senra Júnior


















  











Capitão José de Oliveira senra e sua esposa Maria Luiza de Jesus, filha dos sesmeiro Manoel Alves Garcia e Bernardina Carolina de Jesus




  

 Capitão Pedro de Oliveira Senra Sobrinho



























Maria do Carmo de Oliveira, foi esposa de Silvestre Henrique Furtado, filho de Silvestre José Furtado e Maria Carolina do Nascimento