segunda-feira, 17 de maio de 2010

CHEGAM OS IMIGRANTES EM ALÉM PARAÍBA!

Por Mauro Luiz Senra Fernandes



Na década de 1880, às vésperas da Lei Áurea, o preço dos escravos era elevadíssimo. Tornou-se mais barato importar mão-de-obra da Europa, onde o desenvolvimento do capitalismo industrial criara enorme excedentes de trabalhadores.

Mas as primeiras tentativas governamentais de promover a imigração européia datam ainda do Primeiro Reinado. Em 1819, cerca de 1500 famílias suíças fundaram Nova Friburgo, no Rio de Janeiro; e, em 1824, colonos alemães receberam glebas em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul.
Antes disso, em 1808, o Governo colonial fizera vir para o Brasil 1500 famílias açorianas. Esse tipo de imigração, no entanto, diferencia-se da que ocorrerá a partir de 1850, pois enquanto a primeira representa experiências de âmbito regional e em pequena escala, será somente a partir da extinção do tráfico de escravos que grandes correntes migratórias desaguarão no Brasil.

O homem que emigrava para o Brasil, quase sempre com toda a família, pertencia às camadas mais pobres da população européia. Os camponeses arruinados formavam o maior contingente da imigração, embora houvesse também muitos operários, artesãos, pequenos comerciantes e até mesmo um outro industrial ou homem de negócios. Atraídos pelas promessas de uma vida livre num mundo novo repleto de possibilidades, os imigrantes traziam no coração incontáveis esperanças.

Uma vez instalada em alguma fazenda de café, a família imigrante percebia que o Éden estava ainda longe. As condições de trabalho eram duras e pouco acolhedoras. Cada família recebia certa quantidade de pés de café, pelos quais deveria ser responsável. O trabalho, que incluía cinco ou seis carpas por ano (limpeza das terras da lavoura, para eliminar as ervas daninhas), além da colheita, era remunerado, mas os colonos viviam em situação de extrema dependência para com os fazendeiros.
Isolados nas fazendas, deviam fazer suas compras nas vendas do dono da terra, o que os colocava em permanente dívida, pois ganhavam menos do que gastavam para suprir suas necessidades básicas.
Essas condições da lavoura levaram a uma grande mobilidade da mão-de-obra. Além de trocar de fazenda, muitos trabalhadores terminavam por tentar a sorte nas cidades. E se tornavam operários da indústria, empregados do comércio ou artesãos.

No período de 1910 o maior contingente de imigrantes em Além Paraíba é o italiano, vindo em seguida os portugueses e os libaneses. Na seqüência, estão os espanhóis, dinamarqueses, alemães, franceses, poloneses, húngaros e um só russo.

Colônia Italiana: Lorenzoni Zanconato, Felicio Marotta, Magdalena Garelli Marotta, Giácono Marotta, Manuel Marotta, Salvador Marotta, Assundina Marotta Villela, José Mercadante, Vicente de Marca, Braz Schettino, José Schettino, Estevam Lamóglia, José Povoleri, Ricardo Binato, José de Lucca, Vicente D’Elia, Fidélis Manes, Giovanina Spósito Manes, João Rozzante, Octávio Schettino, Napoleão Gavioli, Beatriz Gavioli, Vicente Madeira, Domingos Trecos, Vittorio Moscon, Amabili Girolami Moscon, Geraldo Tepedino, Giovani Schettino, João Perrota, João Incerti, Pompeu Servelati, Francisco Saparito, Affonso D’Angelo Visconti, Iliseu Visconti, Serafim de Mattos, Florinda Tepedino Laroca, Vicenzia Francisco Laroca, Benjamim Peroco, Angelo Francisco Tomazini, Celestino Marendino, Joana Bossaneto Marendino, Antônio Calzolari, Beatriz Calzolari, Luiz Calzolari, Ema Calzolari, Genoveva Garbois Incerti, Stela Guza Garbois, Agostinho Zamboni, Celeste Zamboni, Herminio Ricardo Zamboni, Ana Amabili Zamboni, Marietta Zamboni Consoli, Alferino Zamboni, Roberto Zamboni, Arminda Zamboni, Arthur Zamboni, Francisco Zamboni, Angelina Zamboni, Angelo de Lucca, Joseppina de Lucca, Ida Binato Sartorello, Francisco Corasini, Henrique Rolli, Cesar Rolli, Vanda Rolli, João Rolli, Dante Sartorello, Joseppina Binato Sartorelli, Primo Binato, Cecília Zane Binato, Humberto Lotti, Albina Justi Lotti, José Chiappeta, Pascoal Palagano, Affonso Sálvio, Alfredo Mazzi, Alberto Costa, José de Mattos, Arthur Zoffoli, Maria Zoffoli, Eduardo Zoffoli, Cristina Zoffoli, Marcos Ghetti, Ernesta Ghetti, Vicente Ghetti, Marin Demarchi, Adélia Demarchi, João Demarchi, Tereza Demarchi, Ivídio Demarchi, Maria Demarchi, Luiz Pitassi, Jacomo Caçador, Magdalena Caçador, Nicolau Taranto, Antônio Taranto, Antônio de Marca, José Luciano Galhardo, Philomena Paraíso Galhardo,André Paraíso, José Pagano Brundo, Cleonice Consoli Zamboni, Aldino Consoli, Cesario Consoli, Alfredo Consoli, Clara Consoli, Virgílio Consoli, José Montesano Júnior, Braz Montesano, Jacintha Mercadante, José Tepedino, Sabina Tepedino, Rosa Tepedino, Francisco Tepedino, Vicente Tepedino, Alexandre Laroca, Luigi Cantarelli, Emilia Ludenni Cantarelli, Pompeu Servelati, Tereza Pedreti Servelati...

Philomena Paraíso Galhardo esposa de José Luciano Galhardo

Estevam Lamóglia

Magdalena Garelli Marotta

José Mercadante
Affonso Sálvio
Família de Felício Marotta e Maria Magdalena Garelli Jannuzzi Marotta

Vittório Moscon

Amabili Girolami Moscon

Geraldo Tepedino e sua esposa Cornélia Ramos Tepedino na Itália
Vicente Tepedino

Colônia Portuguesa: Adão Pereira de Araújo, Herculano de Almeida Couto, Gustavo Ferreira da Cruz, Antônio Ferreira Ribeiro, Antônio José Ribeiro, Secundino Arantes, Manoel Affonso Fernandes, Joaquim Lourenço Gomes, José de Oliveira, Amaro Pinto, Antônio Fernandes “Timbira”, Américo Pinto, Antônio Pereira, Manoel Gonçalves Ribeiro, Carlos Alberto Araújo, Manoel Fernandes da Silva, Domingos Fernandes, Manoel Marques, Joaquim Cruz, Álvaro Antunes, Alfredo Ferreira Ribeiro, Antônio Costa, Albano Duarte, Eduardo Duarte Marques, Armando Duarte Marques, José Pinto da Cunha, Miguel Pinto da Cunha, Antônio Vieira, Antônio Araújo, José Teixeira Bastos, Belmiro Bastos, Belmiro Augusto Pinto, Manoel Dias Moreira, João Lourenço, José de Mattos, José Assunção Pimenta, Manoel Lima de Brito, Manoel Pinto Ferreira, Lucas Rodrigues de Mello, César Corrêa, Joaquim Moreira, João dos Santos Varino, Mário Novaes, Manoel de Souza, José Ribeiro Moura, Isaías José Cardoso, João Lourenço, Manoel Corrêa de Oliveira, Miguel Bessa, Rosa Bessa, Antônio Ribeiro, Joaquim Soares, Joaquim José de Souza Bittencourt, Ricardo Fernandes, Antônio Pereira de Araújo, Adelino Lima, César Corrêa Duarte, Manoel Duarte, César Celeiro, Serafim Lopes, Emílio Augusto de Souza Esquerdo, Faustino Meireles, Franklim Mafra, José Jacintho Teixeira, Maria da Encarnação de Castro Teixeira, Emília Ligeiro Montesano, João de Castro, Belmiro Pereira de Jesus, Augusto Mendes, José de Almeida Maria, Joaquim Lima de Brito, Antônio Rodrigues de Almeida, José Antônio Varela, Lourdes Varela, Manoel Gomes Pinto, Serafim Lopes, Luiz Machado Santos...
Manoel Fernandes da Silva

O Alfaiate Belmiro Pereira de Jesus e sua esposa

Colônia Libanesa:José Sahione, Jorge Elias Sahione, Victória Fadel Sahione,Camilo Jorge, Silva Jorge, Miguel Jorge, Michel Said Assaf, Taufikc Hubaix, Nahum Francisco, Feliz José, Pichara David Fortes, Tobias Ayub, José Alexandre, Antônio Habib Alhouci, Miguel Tebet, Antônio Tebet, Josefe Tebet, José Kalim Salomão, Abílio Nassif Salomão, Elias David, Jorge Aucar, Feres José, José Felipe, Anísio Amim Saber, Miguel Camilo Jorge, Adma Fadel Cassab, Antônio Elias, João Jabur, Elias Elmôr, Salim Assaf,Adma Lattuf Assaf, David José, Jorge Lattuf, José Abud, Jamille Abud, Antônio Macased, Tuffic Elmaes, Saida Mansur, João Abraão, Elias Habil Alhouci, Elias Hisse, Maria Cury Jorge, Jamel Abi Ganiem, Habuda Weked, Adma Ayub, Antônio Nanie, Jorge Hisse, Abrahão José, Jorge José Fortes, Salim David Fortes, Kalil Alexandre, Kalil Salim, Felipe Kalim Salomão, Abdo Kalim Salomão, Nagib Aucar, Waldyr José Weked, Rachid Nasser, Abrahão José Saber Kadab, Nagib Nahed, José Chaim, Kalil Jorge, Pedro Cassab, Felício Elias, Feres Mansur, José Felipe, Antônio Assaf, Deble Assaf, Latif Assaf, Elias Bouhid, Nacíe Abud, Salim Abud, José Abrahão, Kalil Hisse, José Elmaes, Tecla Elias, Nahum Yunes, Alberto Kalil, Tuffic Tebet, Josefe Tebet, José Miguel Fader, Rosa J. Salmer...
A colônia libanesa reunida no casamento de Jorge Elias Sahione e Victória Fadel Sahione

A família do Cap.Jorge José Fortes

A Família Assaf - Antônio Assaf, os filhos Deble Assaf, Salim Assaf, Latif Assaf, a nora Adma Lattuf Assaf e os netos Farid Assaf Lattuf, Elias Assaf e Maria das Dores Assaf (Marocas) em Fernando Lobo.

Família Lattuf

Família Assaf

Família de Elias David


No centro Pichara David Fortes


Miguel Tebet
Josefe Tebet


Colônia Espanhola: Maria Rosa, Osório Gutierrez, Raimundo Perez Segura, Inocente Garcia, Bernardo Garcia, Indalécio Villas, Carmem Perez, Francisco Gutierrez, Padre Benito, Maria Trillo Gonçalves, Sebastião Trillo Gonçalves...
A família de Raimundo Perez Segura

Parte da família de Maria Trillo Gonçalves de Almeida

Bernardo Garcia na Estação de Trimonte


Colônia Dinamarquesa: Charles Sorensen e Joana Sorensen.

Colônia Alemã: Henrique Hainer e Alberto Landois.

Colônia Húngara: João Miguel e Helena Miguel.

Colônia Francesa: Noel Corvirsier e Roberto Ducroc

Colônia Polonesa: Luiz Ostronof

Colônia Rússa: Franz Pawlowsky
Franz Pawlowsky

30 comentários:

  1. Ahhh Mauro!!! As fotos estão lindas e o texto também. Parabéns. Estou adorando ver e ler seu blog.Tô que nem mãe boba. Toda orgulhosa. Beijos

    ResponderExcluir
  2. ParabÈns pelo lindo trabalho. A familia Pawlowsky ficou muito feliz. beijossssssss

    ResponderExcluir
  3. A grande impressão de que nos aproximamos de nossos ancestrais quando vamos obtendo informações sobre cada um deles. E a sensação que fica é que eles gostam disso, como qualquer ser humano gostaria que seus filhos, netos, bisnetos e trinetos não o esquecessem. Seria esta um forma de trazê-los de volta ao convivio de sua família. Na verdade, o nosso elo com os antepassados representa a perpetuidade desses parentes.
    Valeu!

    ResponderExcluir
  4. Querido Mauro, parabéns seu blog está simplesmente demais. Ganhar meu tempo lendo todas essas histórias e conhecer um pouco mais dos primórdios de nossa Além Paraíba, tem me sido no mínimo esclarecedor, sobre condutas, posturas e achismos. A história é tudo. Obrigado por fazer de nós pessoas muito mais cultas pelo replicar de seu conhecimento.
    Beijos, meus e também de Aline e Cauê

    ResponderExcluir
  5. Meu Caro Wellinton,
    A cortesia é a melhor parte da cultura, uma espécie de feitiço que cativa a boa vontade de todos. A melhor cortesia é pecar por excesso do que pela falta.
    Muito obrigado pela sua manifestação e tudo de bom para você e sua família.

    ResponderExcluir
  6. Prezado Mauro, parabéns pela qualidade dos seus artigos, que acima de tudo valorizam a história da nossa tão querida Além Paraíba e região. A única ressalva que faço é a ausência de minha família ítalo-angusturense no rol acima elencado: Lorenzoni Zanconato. Até hoje estamos em Angustura, hoje já entrelaçados por matrimônio às Famílias Faria Salgado, Côrtes e Cerqueira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciene de Brito Zanconato13 de fevereiro de 2017 11:23

      olá, sou Luciene filha de Geraldo Zanconato e neta de Heitor sabino Zanconato e adoraria saber mais sobre meus bisavós paternos, me parece que vc tem muito a informar se puder me ajudar meu email é luzanconato@hotmail.com

      Excluir
  7. Olá Meu Caro Schmidt!
    Muito obrigado pela contribuição e a justiça já foi feita - Lorenzoni Zanconato já esta na lista da Colônia Italiana.

    ResponderExcluir
  8. Agradeço a consideração e deferimento recebidos. Em tempo: Gio Batta Zancontato e seus filhos Adriano, Heitor e Benjamin chegaram em Angustura vindos de Verona em 1894. Adriano, meu bisavô, casou-se com Rita Lupiano Lorenzoni Zancontato. Um de seus genros, José Loyola Moreira ou simplesmente Dadinho, foi uma figura marcante lá na vila, já que sendo multi-instrumentista, foi responsável pela Banda de Música do extinto Patronato. Já Mário Roberto Zanconato, estudante de medicina em BH e neto de Heitor, foi um dos presos políticos trocados pelo Embaixador Americano Charles Burke Elbrick em 1969. Coisas de Angustura ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sou filha de Geraldo Zanconato ( um dos filhos de Heitor zanconato) , neta de Heitor Zanconato e prima de Mário Moberto, mas eu tinha apenas 6 anos quando ele nos visitou, se puder gostaria que fizesse contato pra mais informações, obrigada

      Excluir
  9. Olá Meu Caro Schimidt!
    Da família Zanconato tenho duas amigas, uma delas já não esta mais conosco,que foi a Cibele e a outra é a sua irmã Aninha - muito queridas.
    Já o Dr.Mario Roberto Galhardo Zanconato acompanho sua vida desde a minha infância, seu exílio em Cuba e sua volta para o Brasil, fui vizinho fraterno de seus tios e primos, Doninha e Juca Galhardo e seus primos Cecília, Cely e Beth Galhardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ola mauro recente dei de cara com este blog.estou muito interessada na historia da familia zanconato.sou filha do Mario roberto Zanconato e me interesso muito pela historia da nossa familia .se puder enviar o que tiver meu email monicuza17@gmail.com

      obrigado!

      Excluir
  10. mauro gostaria se poderia me informar por onde começo uma pesquisa sobre a familia zanconato
    imigrantes italianos q se estabeleceram em angustura
    joao zanconato, heitor sabino zanconato antigos donos da fazenda monte verde

    manda pra lmuai@bol.com.br

    ResponderExcluir
  11. Parabens, meu caro amigo. Achei aq tds os meus antepassados da familia Marotta. Vc realmente fez um bonito trabalho.

    ResponderExcluir
  12. PREZADO MAURO, ADOREI SEU ARTIGO, PARABÉNS!
    MEU NOME É NATALINA VASCONCELOS GAVIOLI, NASCI EM ALÉM PARAIBA, EM 13-05-1956, SOU FILHA DE OSWALDO FERREIRA GAVIOLI, NETA DE AUGUSTINHO GAVIOLI E BISNETA DE NAPOLEÃO GAVIOLI E BEATRIZ.
    GOSTARIA DE SOLICITAR ALGUMAS INFORMAÇÕES, TENDO EM VISTA QUE ESTOU PESQUISANDO SOBRE NAPOLEÃO GAVIOLI.
    NAPOLEÃO MORREU EM SANTO ANTONIO DO AVENTUREIRO - MG, SEGUNDO INFORMAÇÃO OBTIDA, E GOSTARIA DE SABER QUANDO ELE CHEGOU AO BRASIL, APROXIMADAMENTE O ANO, SE VEIO COM SEUS IRMÃOS? tem algum parente que você conhece?
    SE PUDER ME AJUDAR, EU AGRADEÇO, POIS AS REFERIDAS INFORMAÇÕES IRÃO CONTRIBUIR PARA QUE MEU SOBRINHO QUE MORA COM A IRMÃ NA INGLATERRA POSSA CONSEGUIR O VISTO PERMANENTE OU CIDADANIA.
    MEU EMAIL - ngavioli@yahoo.com.br
    muito agradecida.

    ResponderExcluir
  13. Katia Marotta
    Olá!! Sou do Rio de Janeiro, mas minha mãe é de Além Paraíba, neta de Magdalena Garelli Marotta e filha de Luiz Marotta. Então foi muito gratificante pra mim ver seu blog e algo de nossa história. Além da foto de minha bisavó, é claro. Parabéns por seu trabalho. Grande abraço

    ResponderExcluir
  14. Muito legal ver meu antepassados como Celestino Marendino

    ResponderExcluir
  15. parabéns pelo blog ..... primor e excelência .além paraiba merece !

    ResponderExcluir
  16. Estou muito alegre por ter encontrado seu blog e, com esperança na sua ajuda:
    estou procurando mais detalhes s/minha familia,sou neta do capitao Antonio Jose Herdy, voce me ajuda?
    Grata,
    Cris.

    ResponderExcluir
  17. O grande legado da escravidão para nós descendentes de escravos , é que não temos como procurar por nossos anscestrais.Os nossos sobrenomes foram doados pelos senhores.Rui Barbosa disse que a escravidão deixaria marcas profundas em nossa sociedade.

    ResponderExcluir
  18. Olá, Mauro! Muito bom o seu trabalho aqui no blog. Tenho procurado as origens da família da minha mãe, que nasceu em Porto Novo - Além Paraíba, em 1941. Ela se mudou da cidade ainda criança, vindo trabalhar como doméstica no RJ, mas me contava neta de uma japonesa, imigrante. Vi este seu post mas não vi referências à imigração japonesa na região. É possível você falar sobre isso. Como sou do Rio, não sei se isso de fato ocorreu aí na região e gostaria de saber mais informações. Um abraço!

    ResponderExcluir
  19. Helio Mercadante Filhi17 de setembro de 2014 20:05

    Boa noite Sr. Mauro, meu nome é Helio Mercadante Filho e meu avô se chamava José Mercadante, mas ele era brasileiro filho de italianos que moravam em Avaré/SP, vc tem mais informações sobre o Sr. José Mercadante que aparece na sua matéria? No aguardo. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  20. Boa noite Sr.Mauro,Gostei muito do seu artigo, meu nome e Robert Fabiano Moraes Consoli sou neto de Virgilio Consoli os pais dele meus bisavos são Aldino Consoli e Maria Luiza Zamboni gostaria muito de obter mais informações sobre meus bisavos por favor se o senhor puder me ajudar de alguma forma fico muito agradecido meu email robertfmconsoli@gmail.com muito obrigado!!

    ResponderExcluir
  21. Buongiorno a tutti,

    mi chiamo Sandro Pitassi e scrivo da Udine (Italia). Sto cercando informazioni su un mio probabile antenato, Luiz Pitassi, che abitava ad Alèm Paraiba verso il 1910. Come posso avere ulteriori informazioni? C’è qualche registro on line degli emigranti italiani? Grazie.

    Cordiali saluti


    Good morning,

    my name is Sandro Pitassi and I’m writing from Udine (Italy). I’m looking for informations about a possible relative of mine, Luiz Pitassi, who lived in Alèm Paraiba round 1910. How can I get more informations? Is it there any on line register of Italian emigrants? Thank you in advance.

    Kind regards
    Sandro Pitassi (sandro.pitassi@aamedia.eu)

    ResponderExcluir
  22. Mauro, o que tens sobre Manoel Pinto Ferreira?
    se tiver algum email para que possamos nos falar.

    ResponderExcluir
  23. Oi Mauro, tudo bem?Meu nome é Ana Paula, busco maiores informações dos italianos na Paraíba, tem alguma outra forma de eu entrar em contato contigo?Obrigada

    ResponderExcluir
  24. Boa noite Mauro.
    Parabéns pelo trabalho realizado.

    Estou na busca dos ascendente da Minha esposa.
    Uma delas são
    João Freire de Oliveira e Ubelina da Conceição - Portugues
    Pais de
    Manoel Freire de Oliveira - Portugues veio para o Brasil em 1890 casado com
    Paulina Maria da Silva tiveram 11 filhos vivos
    Caso possa me ajudar, meu email é
    oseasn@gmail.com

    Muito obrigado.

    ResponderExcluir
  25. Sou Adriano, tudo bem Mauro? Belissimo seu trabalho... minha família imigrou da italia e trabalhou primeiro na fazenda Deus Esteja, contratados por outro imigrante, Camillozzi Pacifico. Depois seguiram para Ponte Nova-MG. Gostaria de obter mais dados contigo, se puderes...meu email: adarra73@gmail.com

    Por favor me escreva.... abraços, Adriano....

    ResponderExcluir
  26. sou tataraneta de Guiseppe Mercadante casado com Julia Furiati bisneta de Ormondo mercadante. Estou fazendo a árvore genealogica de minha familia. Você teria mais informações sobre minha familia. Meu email weck1959@hotmail.com Obrigada

    ResponderExcluir